Lanches saudáveis do Mc Donald’s

Sempre amei Mc Donald’s. Adoro Junk Food e acho os lanches de lá muito saborosos. Mas sempre achei meio caro. Por isso quando tinha a chance de ir, dificilmente fugia do hamburguer (por ser o mais barato) ou do big mac (por ser o clássico).

Mas já faz um bom tempo que ganho um salário um pouco mais respeitável como estagiária. Assim, minhas idas ao Mc se tornaram mais frequentes e ocorreu um efeito colateral: eu meio que enjoei de big mac. Não que eu tenha enjoado de não querer mais ver o sanduíche na minha frente. Mas ele já não é mais o número 1 (sentiram o trocadilho tosco ? : P). Depois de ter comido várias vezes praticamente todas as promoções e todas as sobremesas, parti para algo que achei que nunca aconteceria: tentar a parte natureba do cardápio do Mc Donalds.

Sim, essa parte natureba começou depois dos vários ataques que a companhia sofreu após o filme Super size me. Aquele filme bastante legal e absurdo sobre o cara que comia Mc Donalds todos os dias e que quase morreu por causa disso.

Antes de mais nada, gostaria de salientar que essa parte natureba é bem cara. Acho que só tá no cardápio por desencargo de consciência do Mc mesmo. Agora alguma de minhas opiniões.

1) Saladas: Só comi a Mc Salad Shaker até hoje. Uma saladinha microscópica bastante saborosa. Tem várias opções de molho. Já aquelas saladas com frango, mais sofisticadas eu ainda não provei.

2) Iogurte com frutas vermelhas e cereais: Das sobremesas do Mc Donald’s esta é a única saudável. Apesar de ela concorrer com iguarias como os sundaes, mc colosso, tortinhas e demais delícias, o iogurte se sai maravilhosamente bem. Natural e muito gostoso. Bom para aqueles dias em que você acha que o sundae ou a casquinha são doces demais e mesmo assim você quer uma sobremesa.


Aprovado

3) A maçã: O Mc Donald’s começou faz um tempinho a vender singelas maçãs por 1 real. Achava que ninguém comprava. Mas ontem aconteceu algo inacreditável: entrei no Mc, fiz meu pedido, e enquanto esperava para pagar, fiquei olhando aquelas maçãzinhas vermelhas. Me deu uma vontade louca de comer uma. Mas não queria gastar 1 real com uma fruta. Mas então pensei: as batatinhas do Mc Donald’s são mais saborosas que as dos lugares normais, o refri também ( não sei se é por causa do copo ou do canudo, certamente tem algo que o torna melhor), mas enfim, muitas coisas de lá são melhores que o nomal. Quem sabe a maçã também não é mais gostosa ? Seja porque é transgênica, seja porque colocam produtos químicos, não sei. Decidi e resolvi comprá-la.

– moça, vou querer uma maçã também.

A vendedora me olha com uma cara espantada e diz – tu tem certeza que tu quer? Tá, ela nem diz isso, mas a parte da cara espantada é verdade : P. Ela acrescenta a maçã na minha compra. Para minha surpresa, as maçãs são embaladas num saquinho super legal. Degusto meu lanche e chega o momento de comer a fruta. Veredicto: ruim. A que eu comi pelo menos era pior que as maçãs normais. Parecia de alguma forma industrializada. Só provando para entender.


Reprovado

Fico por aqui, acho que é só essas três coisas que são naturais lá : P

Anúncios

Jade (da ginástica olímpica) e a minha nerdzice

Existem esportes que eu gosto bastante de assistir. Futebol eu gostava, mas enjoei. Hoje em dia só finais de campeonatos MUITO importantes, tipo Libertadores (campeonato brasileiro não tem mais final, então não assisto de jeito nenhum). Natação eu também não gosto. Se é pra ver quem é mais rápido, prefiro assistir atletismo.

Mas voltando aos esportes que eu gosto de assistir, um deles é o judô. Pratiquei judô durante um ano e entendo razoavelmente bem. Consigo analisar quem está lutando melhor, se o adversário ainda tem uma chance boa mesmo depois de ter levado um wazari, etc. Outro que eu gosto muito de assistir é a ginástica olímpica.

Apesar de também ter praticado (mas apenas durante menos de 6 meses), na renomada SOGIPA, eu não entendo nada. Eu vejo a Daiane dos Santos fazendo as piruetas e outra romena ou russa qualquer e em geral é a mesma coisa na minha cabeça. Tirando detalhes óbvios do tipo se a ginasta deu um passinho depois de saltar, ou se ela fez um erro muito absurdo, eu quase nunca consigo adivinhar quem vai ser a melhor. Mas mesmo assim eu ainda gosto. Eu considero um esporte bonito de assistir e torcer.

Em 2004 o Brasil parou para assistir a Daiane dos Santos nas Olimpiadas de Atenas, mas agora o novo fenômeno é a Jade.

Jade
A pequena grande ginasta

O mais engraçado foi o que pensei quando vi ela e ouvi seu nome pela primeira vez na tv. Não pensei na pedra, tampouco pensei naquela personagem daquela antiga novela das 8. Vendo os saltos incríveis e o uniforme verde da delegação brasileira, lembrei na hora da Jade de Mortal Kombat. Lembram dela ? Aquela ninja de maiô verde, amiga (ou inimiga, sei lá, nunca li as histórias delas : P) da Kitana e da Mileena.

Jade
Kitana, Jade e Milena

É, acho que joguei video game demais : P

Deportivo e o rock francês

Umas dos fatores que mais colaboram para o aprendizado de uma língua estrangeira é o convívio com ela fora de sala de aula. Quero dizer, escutar música, assistir filmes, jogos, enfim, qualquer meio que utilize a língua estrangeira. Especialmente quando está associado ao lazer. Tendo esse convivio, meio que se aprende naturalmente. Apesar de ter estudado inglês durante mais de 3 anos em cursos regulares, acredito que se não fosse os filmes, Internet, músicas e games, precisaria de pelo menos outros três ou mais pra chegar no nível que cheguei.

Mas eu realmente só me dei conta da importância que o convívio extra-classe tem quando comecei a estudar francês. Dei-me conta que eu não assistia filmes em francês (exceto Amélie Poulain, mas é que esse filme é pop : P), não escutava músicas nessa língua, em suma, não precisava do francês (e na real não preciso até hoje).

Mas eu acho francês legal (assim como japonês, mas isso é assunto pra outro post), então resolvi correr atrás de material francófono. Graças a isso, busquei e assisti a alguns filmes como A trilogia das cores de Kieslowski e Bem me quer mal me quer com a Audrey Tautou. Todos recomendados. Mas filmes franceses é fácil achar, afinal o cinema francês é conhecidíssimo e elogiadíssimo. Agora e quanto a música ?

Deportivo
A banda

Na minha aula a professora sempre levava uma musiquinha, mas era sempre Edith Piaf ou esses cantores antigos clássicos. Adoro a Edith e sua la vie em rose mas eu gosto mesmo é de rock. Pois então, o que afinal é bom em matéria de rock produzido na França ? Responder a ess pergunta é um pouco difícil mas posso falar de uma banda que muito me agradou de lá: chama-se Deportivo (sim o nome é em espanhol mesmo). São três caras que fazem um rockzinho muito legal, muito animado. Até hoje só lançaram um cd, o Parmi Eux. Meio difícil de encontrar ai pela internet mas vale a pena o esforço. Bem interessante e ótimo pra acompanhar as letras e tentar cantar. Destaque para as músicas 1000 moi-même e parmi eux.

Quebra-cabeças, puzzles e afins

Estava eu de bobeira na internet quando decidi dar uma olhada a quantas andava o fascinante mundo dos quebra-cabecas.

Eis o que encontrei.

O maior quebra-cabeca vendido em larga escala produzido no Brasil é da Grow e tem como imagem um quadro de Michelangelo. Possui 5 mil peças e custa 99 reais. Resolvi então ver qual o maior produzido nos EUA … achei que ia ser só um pouquinho maior, afinal 5 mil peças já é um absurdo. Ledo engano. No americano são 18 mil peças !!!! 18 mil !!!! Segundo a Amazon, é o “World’s LARGEST Puzzle”. Precinho: 1o0 doláres ! Se minhas conversões não estão erradas, montado ele mede 3 metros por 2 !!! Haja espaço no quarto pra montá-lo. Imagina perder uma pecinha dele : P

puzzle

Como se não bastasse, ainda tem a coleção Impossibles, com quebra-cabeças sempre com o mesmo padrão como esse da vaquinha. Além de ser um monte de vacas quase todas iguais, o quebra-cabeça não tem borda ! Aquela velha tática de começar a montar peças bordas vai por água a baixo. Como se não bastasse, tem 5 peças extras que não encaixam em lugar nenhum e peças com”encaixes irregulares únicos”. Não me perguntem o que querem dizer com isso. Outro que eu achei interessante: oceanic wonders com 3000 pecinhas. Cheio de detalhezinhos, parece bem legal (pois convenhamos, montar céu, ou qualquer coisa lisa demais é um saco). E pensar que eu apanhei pra montar um de 750 peças …

puzzle

Suécia e Boten Anna

A Suécia é o país de língua não inglesa com mais tradição no rock e pop. Para citar alguns exemplos de bandas ou cantores provenientes de lá, têm Abba, Petter Bjorn and John, The Hives, I’m from Barcelona, Cardigans, Roxette, entre outros.

Mas nada disso se compara ao cantor Basshunter. Além de ser o único dos citados aqui a cantar de fato em sueco e não em inglês, é o único que faz música com temas nerds como Warcraft e IRC.

A música sobre Warcraft é meio chatinha (talvez porque eu nunca tenha jogado esse jogo), mas a sobre o IRC, é perfeita ! Chama-se Boten Anna. Conta a história de um cara que se apaixonou por um bot do IRC. Vejam um pedacinho da tradução dela (afinal sueco consegue ser mais difícil que japonês):

CD
Sim, o nome do cd é LOL <(^^,)>

Eu conheço um bot.
Chama-se Anna, Anna é o nome dela.
Ela pode bani-los, bani-los a sério.
Ela limpa o nosso canal.
Quero dizer-vos que conheço um bot.
Ela vigia toda pessoa no nosso canal,
E vê se não há problemas
É impossível alguém fazer um take-over
E lembrem-se, eu conheço um bot.
Um bot que ninguém pode tocar,
E ela kicka-los quando tem vontade.
E kicka todos os spammers.
Não, ningém pode tocar no nosso bot.

Mas o melhor (ou pior) vem agora:

Veio um dia, e eu não podia acreditar.
O canal estava estranho.
Nunca pensei que estivesse tão errado.
Mas Anna disse-me “Não sou um bot, Sou uma garota muito bonita”
Foste muito estranha para mim.
Não tenho nada a dizer.
Para mim continuas a ser um bot.
Chama-se Anna, Anna é o nome dela.

Ele prefere que ela seja um bot ao invés de uma garota. Letra sensacional : P.
Assistam no Youtube com as legendas, pois com a melodia fica muito melhor. Por sinal, bonitinho o Jonas Altberg no clipe né ? Ah sim, esse é o nome que se esconde sob o pseudônimo de Basshunter.

Se o Latino fosse mais nerd, com certeza faria sua versão brasileira : P

Franz Ferdinand

Estava eu há poucas semanas de ir no show do Placebo, lá por Abril de 2005, e sabia que o meu namorado( que na época ainda não era namorado), tinha toda a discografia deles. Levei um cd vazio e pedi para ele colocar pra mim as músicas. Nisso, acontece o seguinte diálogo:

– Vou colocar Libertines e Franz Ferdinand pra ti também.
– Não, eu não vou escutar. Põe só o Placebo.
– Mas é muito legal.
– Tá, põe o Libertines porque eu já ouvi falar bem dessa banda.
– Mas o Franz Ferdinand é muito melhor.
– Não.
– Tá sobrando espaço no cd, vou colocar.

Teimosias à parte, que bom que tava sobrando espaço naquele cd ! Chego em casa, escuto Placebo, acho mais perfeito do que eu pensei que ia achar. Ouço Libertines, acho um lixo (hoje não acho lixo, mas escutando com Placebo e Franz Ferdinand, até coisas boas parecem ruins). E então eis que escuto Franz Ferdinand. Take me out e Michael viciam na primeira audição. As demais músicas vão viciando aos pouquinhos. A que mais demorou pra viciar foi Jacqueline, aquele iniciozinho dela eu achava muito chatinho, mas aquela guitarrinha do início vale pela música toda. Um cd que só não é perfeito por causa de Auf asche e 40 ft, que apesar de não serem chatas, não chegam aos pés das demais.

Franz Ferdinand
Gostei do óculos

Banda com letras descompromissadas, às vezes até simples demais (take me out), às vezes muito engraçadas (michael), às vezes tristes (come on home), e às vezes simplesmente ótimas (darts of pleasure).

Um som que soa antigo e inovador ao mesmo tempo, caras que se vestem de forma style, nome de banda baseado em personagem histórico, capa de cd simples porém bonita. Resumindo, Franz Ferdinand é A banda. Até os lados B conseguem ser bons.

Então, passa um tempo e logo chega o segundo cd, you could have it so much better with Franz Ferdinand. Capa bonita, nome de cd legal, 2 hitzinhos instântaneos (walk away e do you want to), e eis que o Franz Ferdinand sai da cena indie e entra pro universo mainstream. Inicialmente achei o cd bem decepcionante, mas depois daquele primeiro cd, era quase inevitável qualquer outra reação. Umas escutadinhas a mais e dava pra ver logo que é um cd bem acima da média, que seguiu o mesmo estilo do primeiro.

Agora, 2 anos depois, estou aqui esperando pelo terceiro cd, que deve sair pelo final do ano. Segundo o vocalista, Alex Kapranos, vai ser mais experimental, com menos guitarrinhas, o que me deixa com medo, porque as guitarrinhas são ótimas. Mas se tratando deles tenho certeza que vai ser no mínimo um cd bom.