Beatles Anthology: a história da melhor banda do mundo

Terminei de ver Beatles Anthology, finalmente. Beatles Anthology são 5 dvds licenciados que contam a história dos Beatles. Nos primeiros dvds, fala-se sobre a origem dos Beatles, como se conheceram, os primeiros shows no Cavern Club, a viagem para Hamburgo na Alemanha, o sucesso, até conseguirem ser a primeira banda britânica a emplacar um hit como número um na billboard, com a música I want to hold your hand, e assim irem para os EUA e iniciar a beatlemania ( a propósito, odeio a pronúncia de beatlemania em inglês: fica algo como “bitoumeinia”, horrível : P).

Anthology é interessante porque não é só entrevistas e história. Intercalam-se clipes e apresentações que o deixam mais leve e um deleite para os fãs. Uma das apresentações incluidas é no Ed Sullivan, um dos programas de maior audiência nos EUA (e que no mesmo teatro que era filmado, hoje em dia é produzido e o programa do David Letterman), no auge da beatlemania.

Como fã recente, descobri várias coisas interessantes como o fato de, devido a gritaria incessante dos fãs, os Beatles não conseguirem se escutar nos shows. Na época não havia a tecnologia necessária para isso, e eles tinham que ficar tocando como robôs, sem poder escutar e experimentar (os White Stripes, segundo me contaram, fazem sempre algo novo em todas as suas apresentações, coisa que os Beatles não podiam se dar o luxo), portanto não podiam evoluir no palco, apenas em estúdio.

O inicio da banda é muito bem detalhado e retratado nos dvds. Como sou bastante fã dessa fase inicial de “silly love songs”, amei. Minha crítica é em relação as últimas partes. Depois do Sargent Peppers, o anthology passa correndo, fast forward total. Mostram o Magical Mystery Tour bastantinho até, depois voam com o Yellow Submarine, falam pouquinho do White Album, pouquinho do Let it be, pouquíssimo do Abbey Road e acaba, super drasticamente. Me pareceu que os Beatles não queriam falar muito dos problemas do final, de como a banda acabou, ou criticar muito a Yoko Ono (talvez porque ela que cedeu os direitos do John Lennon), enfim, não queriam ficar cutucando feridas mal cicatrizadas. E assim, pouco se falou do final. Basicamente o fim do anthology são os clipes e (bem poucas) lamentações e explicações sobre o término da banda.

Mas claro, mesmo com a correria toda, o finalzinho do Anthology tem revelações bastante interessantes. Por exemplo, George Martin, o produtor de todos os discos, não gosta muito do White Album. Acha que seria um ótimo cd se não fosse duplo e as canções fossem mais criteriosamente escolhidas. Concordo. Desses albuns do final da carreira dos Beatles ( ou seja, pós Sargent Peppers), o meu favorito ficou sendo o Magical Mistery Tour. Tem Strawberry Fields Forever, Fool on the hill, All you need is love, Hello Goodbye, albúm excelente. White album não gostei e acho que não gostarei nunca.

Mas mesmo com os contras, o preço meio alto, e a falta de algum encarte bonito junto com os dvds, vale muito a pena. Terminei de ver e já sinto vontade de assistir de novo. Definitivamente não é o tipo de documentário que você assiste uma vez e deixa depois pegando pó na estante.

Anúncios

9 comentários sobre “Beatles Anthology: a história da melhor banda do mundo

  1. Eu nem conto o “Magical Mystery Tour”, porque ele é uma coletânea de singles dos Beatles. Não sei se você leu o livro que o George Martin escreveu sobre a produção de “Sgt. Peppers”, no qual ele conta que tanto “Strawberry Fields Forever” quanto “Penny Lane” deveriam feito parte desse álbum, e só não foram incluídas no “Sgt. Peppers”, apesar de terem sido gravadas junto com as outras faixas do álbum, porque haviam sido lançadas anteriormente no formato de single, e naquela época discos não incluíam nenhuma música que já tinha sido disponibilizada comercialmente em compactos.

  2. O Inagaki no meu humilde blog, que honra !

    Bom, quanto ao comentário, tá explicado porque eu gostei do magical mistery tour então, tenho tendência de gostar de singles.

    Por sinal, eu acho o máximo isso nos Beatles: terem a audácia de não incluir os singles, que é o que mais faz vender um disco. E mesmo assim os discos serem ótimos.

    Não li esse livro não, sou fã nova. Mas me interessei, vou tentar correr atrás. Mas igual, acho que no Anthology isso é falado também. Tenho que assisti-lo de novo, são muitos detalhes.

  3. Olá, cara blogueira!
    Mesmo jovem, sou fã de Beatles já há bastante tempo, desde meus 12 anos, pelo menos. No começo, tinha pouco acesso aos discos – era a época em que os CDs começavam a se popularizar, e eles eram um pouco caros. Hoje, em poucas horas, com uma conexão razoável, tem como baixar toda a discografia rapidinho.
    Enfim, então começava o trabalho de garimpagem, e aos poucos fui ouvindo mais e mais músicas diferentes dos Beatles. Tinha um amigo meu com vários CDs em casa, alguns LPs também, e lá ia eu na casa dele com uma fitinha K7 pra gravar umas músicas.
    Lembro-me que eu, meio “newba” em Beatles, perguntava pro meu colega: “po, tem alguma música que o Ringo faz backvocal? grava ai pra mim”, e lá ia a gravação de Dear Prudence, em que o Ringo fica de fundo cantando “look around around around…”. Ou então, gravava aquela sinistrona do Harrison com umas bateras loucas na introdução com um riffzinho da hora (I Want to Tell You), aquela meio pesada que no começo me pareceu feia e barulhente, mas que era diferente pra Beatles e bem doidona (Helter Skelter) e assim ia dando meus passos pela beatlemania.
    Bons tempos, voltava todo contente com minha fita, cheia dessas seleções malucas. Não tinha muita noção de álbuns, gravava essas fitas, só aos poucos comecei a me dar conta quando passei a comprar os CDs. No começo, gostava muito do Sgt. Pepper’s. Ouvia umas 5 vezes por dia. Depois, foi a época do Abbey Road. Depois Revolver. White Album. Cada fase da minha vida, era um álbum diferente preferido, preferência que durava e ainda dura alguns meses . Agora estou meio que numa fase Paul solo, e em preferência pelo White Album dos Beatles.
    Aliás, fica aqui meu conselho, aceite o White Album. Se você ver no Anthology, George Martin fala que o White tem muita informação. Ringo e George Harrison fazem coro ao produtor dos Beatles. Lennon não sei se fala algo, daí chega o Paul e solta “ficam criticando o White Album, eu acho ele fantástico”. Paul fala mais e emenda com a memorável frase “it’s the bloody Beatles’ White Album, shut up!”.
    No comecinho, achei o White Album meio estranhão, depois vi o que era estranho, é porque ali não são bem os Beatles hit makers. Falta um pouco a pegada pop, o refrão marcante. Mas se você entendê-lo como uma obra de uma banda múltipla, uma banda que é como uma explosão de cores diversas explodindo e misturando tudo e ficando branco, vai ver que só os Beatles para terem num mesmo disco Blackbird, Dear Prudence, Yer Blues, Mother Nature’s Son, Helter Skelter, enfim, nem se fossem umas 14 bandas dariam conta de tantos estilos e tantas boas composições.
    É isso aí, os Beatles são foda. Se quiser trocar umas idéias, e-mail aí.
    Flw.

  4. “White album não gostei e acho que não gostarei nunca.” Então você não é fã ou não entende(u)… Tem ótimas e excelentes músicas lá, dude.

  5. Gabriel tem razão, sempre haverá uma fase diferente na sua vida, assim como tem na dele e tem na minha, no começo só ouvia a fase “silly love songs” mais que as outras, depois houve uma época que só ouvia Revolver, depois houve uma época que pelo menos 1 vez por dia eu me via na obrigação de ouvir Sgt Peppers, e tive claro minha fase White Album. Na minha humilde opinião, foi no White Album que eles “amadureceram” musicalmente, mesmo que as composições e a forma como eram gravadas fossem mais individualistas (john e os outros, george e os outros) há letras muito belas dos mais variados tipos: escorregadores em espiral, porcos, aniversarios, garotas do leste europeu, chocolates, faroeste e por ae vai.
    não estou dizendo que um dia vc morrerá de amores pelo White Album, mas um dia vc poderá rever alguns conceitos sobre ele
    =D

  6. A MAIOR INFLUENCIA DO ROCK FORAM OS BEATLES ( FATO ).

    MEUS CAROS AMIGOS TEMOS QUE RESPEITAR POIS EXISTEM DIVERSAS BANDAS PARA DIVERSOS GOSTOS… EXISTEM AS BANDAS UNDERGROUND, AS BANDAS BOAS, AS BANDAS EXELENTES, AS BANDAS EXTRAORDINARIA E “” O PINK FLOYD “”” !!!

    EM TERMOS DE MUSICALIDADE, GENIALIDADE, SHOW, OS ALBUNS MAIS GENIAIS DA HISTORIA E DEMAIS FATORES,
    O “PINK FLOYD” E RECONHECIDA COMO A MAIOR BANDA DE TODOS OS TEMPOS POR PRODUZIR UM SOM ATEMPORAL … TANTO É QUE PAUL MAC JA DECLAROU EM UMA COLETICA QUE FOI UMA PENA NAO TER PARTICIPADO DA MAIOR BANDA DE TODOS OS TEMPOS “O PINK FLOYD”…. (DARK SIDE OF THE MOON … CONSIDERADO O MAIOR ALBUM DA HISTORIA 200 MILHOES DE COPIAS VENDIDAS … AQUELA OBRA FOI CRIADA EM 1973… UM SOM IMPOSSIVEL DE SER CRIADO NA EPOCA. O PINK FLOYD SUPEROU TODAS AS BARREIRAS TEMPORAIS DA MUSICA.

    SEM DESCONSIDERAR O GOSTO PESSOAL DE CADA UM, MAS TENHAM EM MENTE QUE NAO ADIANTA… QUANDO SE TRATA DE MUSICA .. O PINK FLOYD E INSUPERAVEL… NAO FUI EU QUE DISSE ISSO FORAM AS EVIDENCIAS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s