Filmes subestimados

O Anderson do Rosebud é o trenó respondeu um meme do Weiner da Grande Arte. Resolvi responder também. Mas só consegui pensar em 3 filmes. Aqui vai a lista.

1) Vidas em Jogo, de David Fincher –> Todo mundo quando pensa em David Fincher lembra imediatamente de Seven, Clube da Luta (ou ainda do superestimado Zodíaco). Realmente, Seven e Clube da Luta são obras primas, não tem como não lembrar delas, mas justamente por isso, as pessoas esquecem de outra grande obra da filmografia desse diretor: Vidas em jogo. Um filme onde não dá pra saber o que é real e o que faz parte do jogo no qual o protagonista(Michael Douglas) é forçado a viver.

2) Meninamá.com, de David Slade –> Esse filme tem um motivo pra ser subestimado: uma das piores escolhas/tradução de títulos da história. Mas não se deixem levar por esse detalhe: o primeiro filme relevante de Ellen Page, a protagonista de Juno, é surprendente. Mais do que uma crítica óbvia a pedofília, uma crítica a quem tenta parecer mais esperto do que é na internet.

3) Um kickboxer muito louco, de Jackie Chan –> A melhor comédia de todos os tempos. Passava direto no SBT faz uns anos. Acho que é um dos primeiros filmes do Jackie Chan (e o único que realmente presta). Uma espécie de Indiana Jones muito mais escrachado. Conspirações nazistas, escorpiões venenosos no deserto, coadjuvantes femininas hilárias, lutas, muitas viagens, e arábes mercenários do mal : P

Pra quem acha que lembra e não lembrou, aqui um videozinho com cenas do filme.

Eu sei, o filme pode parecer tosco (porque é mesmo), mas notem que não é só eu que acho esse filme obscuro ótimo. No site da Amazon, se você ler os reviews, um diz que o filme é ótimo (4 estrelas de 5), e as outras 2 criticam o fato dessa versão de DVD à venda ter cortes. Nesse site HKflix, ele ganha a mesma nota (4 estrelas de 5). Eu, claro, dou 10 estrelas de 5 possíveis : P

PS: Descobri que o nome do filme em inglês é Operarion Condor – Armour of gods 2. Isso quer dizer que deve haver um Armour of gods 1. Preciso ver ! ! !

Yeah Yeah Yeahs !

Continuando com meus posts dedicados as bandas que eu gosto, aqui vai mais uma: o Yeah Yeah Yeahs. É um trio nova iorquino (por sinal, uma boa parte das bandas que eu gosto tem essa formação de três pessoas) com um rock muito legal. Assim como o Fratellis, tem tem uma bateria muito marcante (e eu adoro o som de bateria … de piano também, mas isso não vem ao caso agora).

Mas o que essa banda tem que eu realmente gosto é a vocalista: Karen O. A mulher tem uma voz que consegue ser ao mesmo tempo doce e poderosa (num sentido de marcante). Fora o fator estilo que ela tem: roupas (muito) loucas, cortes de cabelo diferentes, batom super vermelho e maquiagem às vezes borrada. Na verdade, eu não acho nada disso bonito, mas a vocalista do Yeah Yeah Yeahs faz de um jeito tão autêntico, num estilo tão próprio, que fica o máximo.

yeah yeah yeahs

Pensando friamente, eu não acho ela bonita, mas ela tem tanto estilo e atitude (e pra mim isso é importantíssimo) que ela se torna uma das mulheres mais bonitas do rock. Tanto, que segundo disse Lúcio Ribeiro, foi até convidada pela Playboy americana pra tirar umas fotinhos (mas ela disse No No No : P).

Queria muito assistir a um show deles, pena que quando vieram para o Brasil não tocaram em Porto Alegre. Parece o tipo de banda que muda completamente ao vivo (pra melhor), de tanta presença de palco e atitude que Karen O tem (e dá pra ver isso só pelos shows e videos).

Bom, quanto a banda, além dela temos Nick Zinner e Brian Chase na formação. Mais um outro cara que toca nas turnês. A banda lançou até agora dois CDs. Aqui um pouquinho sobre eles:

Esse é o Fever to Tell, lançado em 2003.

fever to tel

1. Rich
2. Date With The Night
3. Man
4. Tick
5. Black Tongue
6. Pin
7. Cold Light
8. No No No
9. Maps
10. Y-Control
11. Modern Romance

É um cd meio irregular. A primeira música, Rich, é muito boa. Depois as demais não são tão inspiradas, isso até chegar em Maps e Y-Control, que são ótimas. Y-control eu gostei logo de primeira (o clipe é legalzinho, assistam no youtube), Maps demorou um pouco mais, mas é atualmente a minha favorita do grupo, e uma das que mais ouço no meu iPod. No clipe de Maps, Karen O tá com o cabelo e um olhar meio distante muito bonito.

By the way, esse cd entrou na lista do livro 1001 CDs para ouvir antes de morrer.

O segundo CD é Show You Bones de 2006. É um cd mais regular, não tem nenhum hit mas todas as músicas são bastante boas, especialmente Gold Lion, Way Out, Honeybear, Cheated Hearts, Warrior e Turn into.

Show your bones

1. Gold Lion
2. Way Out
3. Fancy
4. Phenomena
5. Honeybear
6. Cheated Hearts
7. Dudley
8. Mysteries
9. The Sweets
10. Warrior
11. Turn Into

Pra finalizar, um videozinho com uma performance dos Yeah Yeah Yeahs tocando Gold Lion no programa de David Letterman:

Programação em placas gráficas, área quente na pesquisa em CG

Uma das áreas da computação que está vislumbrando mais inovações é a computação gráfica. Por quê ? Além da pesquisa tradicional, no qual tarefas difíceis como a pesquisa e o desenvolvimento de novos métodos de calcular iluminação cada vez mais realista e rápidos, métodos para calcular fluídos em movimento (especialmente água), pêlos, cabelos, grama (vegetação em geral), etc, são estudados, existe um campo quase que inteiramente novo (ou que pelo menos aumentou as possibilidades de abordagem de temas antigos): a programação de placas gráficas, GPU em inglês (graphic processor unit).

Pra quem não sabe, as GPUs estão no nível de desenvolvimento absurdo. Isso fica claro quando vemos para vender por preços relativamente acessíves placas gráficas com 512 Mb de Ram. Pensem bem, 512 só para lidar com a parte gráfica. É muita coisa. Mas não é só o tamanho da memória que as GPUs estão altamente desenvolvidas. Alguns dizem que, a Nvidia (a maior desenvolvedora de placas gráficas do mundo, a Geforce por exemplo, é dela) já gastou tanto em pesquisa de tecnologia para fazer placas gráficas cada vez melhores, que atualmente, eles estão num nível que seriam capazes de criarem processadores (CPUs) melhores que os da lider no mercado, a Intel, e que só não começaram a vender porque desembolsar rios de dinheiro para entrar numa competição onde o concorrente tem mais de 90% do mercado é ou dar tiro no próprio pé ou suícidio.

Essa afirmação acima, pode parecer exagerada para alguns, mas o nível de complexidade que as GPUs tem hoje está muito próximo do nível que as CPUs têm. Não é nenhum absurdo pensar que a Nvidia poderia fazer CPUs.

geforce placa poderosa
Vamos programar esse bichinho?

Mas além da velocidade e tudo mais que as GPUs estão oferencendo, a parte realmente legal é que ela agora está ficando parcialmente programável. Parcialmente porque, a GPU utiliza a arquitetura pipeline. Arquitetura pipeline, resumidamente, é um hardware que é composto de vários módulos menores, e esses módulos devem funcionar concorrentemente. A vantagem da arquitetura de pipeline é que enquanto um dado está sendo tratado no segundo módulo, outro pode ser tratado no primeiro (se esse não depender do dado que está sendo tratado no segundo módulo). Por exemplo, uma fábrica que monta carros usa a arquitetura de pipeline, pois num módulo, o os pneus são colocados, em outro o carro é pintado. Com essa arquitetura, é possível que dois carros(ou mais, depende de quantos módulos tem o seus sistema) sejam produzidos quase ao mesmo tempo, evitando subutilização dos recursos de hardware.

A GPU permite a programação de dois desses módulos.

A grande diferença é que dessa vez, usaremos os recursos da GPU e não da CPU, ou seja, vamos usar a memória da GPU e as instruções da GPU, não a memória RAM da CPU, e tampouco suas instruções. Em outras palavras, você vai progamar para o processador da placa gráfica, e não para o processdor de propósitos gerais do seu PC (a CPU).

As vantagem é que como a placa gráfica é processador dedicado para gráficos, ele tem muito mais vantagens que a CPU. Por exemplo, ela possui comandos nativos para lidar com vetores, pixels, etc. Mas a grande vantagem, na realidade, é que a placa gráica consegue lidar com mais de um pixel por vez, ou seja, é uma placa que pode processar vários pixels em paralelo.

Para programar a GPU temos agora a disposição várias linguagens, e a mais usada é a C for graphics, que como o nome dá a entender, é bastante similar a C, mas para placas gráficas ; )

Na realidade, antes já existiam linguagens, mas era muito similares a um assembly, o que inviabilizava a programação para a maior parte das pessoas porque programar em assembly é um saco : P

Mas voltando, C for graphics permite atualmente a programação de dois módulos das GPUs atuais, o vertex shader, e o fragment shader. Num próximo post eu entro em detalhes sobre o pipeline das placas gráficas e consequentemente falo das vantagens e possibilidades programando o vertex e o fragment shader.

Animes que andei assistindo: Beck

Pra quem ainda não sabe, já fui a vários eventos de animação japonesa. Não vou mais a tantos porque chega uma hora que torna-se uma experiência repetitiva, mas igual, nos eventos que tem alguma atração especial, como algum astro(por astro entenda algum cantor ou dublador) vindo do Japão, sempre vou.

Comecei falando de eventos de anime porque num deles, já nem lembro mais qual, vi um grupo de cosplay com guitarras e instrumentos de rock. Perguntei se aquilo era cosplay de algum anime. Eles me responderam que era sim, era um grupo de um anime chamado Beck. Um seriado sobre um garoto que quer ter sua própria banda.

beck anime manga nirvana

Achei interessante um anime com esse tema, mas nunca tinha me dado o trabalho de assistir, correr atrás. Isso até poucos dias. Peguei os primeiros episódios pra ver. Apesar da animação ser bonita, especialmente os cenários e instrumentos, que são muito bem desenhados, achei o anime meio paradão. Eu esperava um humor mais escrachado, ou pelo menos algumas cenas de tensão. Mas não tem nada disso. Não que seja completamente chato, mas nada de espetacular.

Uma coisa legal é que alguns personagens do desenho já moraram nos Estados Unidos, e por isso, em alguma cenas eles falam em inglês. Mas ao contrário da maior parte dos animes e seriados japoneses, eles falam um inglês bem certinho, com sotaque é claro, mas não é aquele engrish tosco que rola na maior parte dos animes.

Anime e manga beck com camiseta da banda ramone

Pelo que vi na Wikipedia, ao longo da série, são feitas referências a vários roqueiros e bandas famosas como Beatles, Jim Morrison (The Doors), Sid Vicious (Sex Pistols), etc. Nos episódios que eu vi, houve por exemplo, uma referência a Ramones, a banda Kiss, a Velvet Underground e outra ao The Clash. Mas são coisas simples, como uma camiseta, ou um cd com o nome da banda. Os personagens não chegam a discutir gostos musicais, ou realmente conversar sobre rock real (pelo menos nos primeiros 3 episódios, houve apenas um curtissímo momento em que falaram de rock inglês),essa falta de diálogo sobre rock é o que para mim é onde reside a grande falha do anime: apesar de tratar de rock, um tema diferente (no âmbito da animação japonesa), ele é mal explorado. Acaba virando um anime sem grandes atrativos.

Assista se você for MUITO fã de rock E MUITO fã de anime. E se você não se importa de o roteiro não ser muito emocionante também. : P

Curiosidade: Beck ao contrário do que eu pensava, não é o nome do protagonista, é o nome da banda e do cachorro de um dos personagens (!).

Inovações em ovos de Páscoa

Visitando as parreiras cheias de ovos nessa páscoa, percebi as inovações no mundo dos ovos de chocolate. Além do chocolates clássicos como o ovo Bis, Ferrero Rocher, Confeti, Diamante Negro, Sensação, Trakinas, Laka, etc, vi três outros que me chamaram bastante a atenção.

ovos de páscoa
Os clássicos

O primeiro é o ovo MTV. Tipo, eu já achava meio estranho fazer ovo de páscoa de time de futebol (ovo do Grêmio, Flamengo, São Paulo, etc), mas agora ovo de canal de televisão é meio que passar dos limites. Se ainda fosse ovo de páscoa da Globo : P

mtv ovo de páscoa

O outro que eu estranhei foi o ovo GP Interlagos de Fórmula 1. O que a festa Páscoal tem a ver com Fórmula 1 ???

ovo gp de interlagos

Mas teve um que chamou a atenção positivamente. É uma metade de ovo de páscoa, mas recheado com sorvete dentro, invenção da Nestlê. Versão Sensação e Alpino.

ovos sorvete de páscoa

Pena que era meio difícil de encontrar nos mercados porque fiquei com vontade de provar.

Leah (Lia) e o lateral cambalhota

Todos lembram do goleiro Rene Higuita né? E porque lembram? Por causa da sua habilidade? Claro que não, todos se lembram dele por causa da defesa (scorpion kick) que ele inventou, ousadia pura. Aqui o video:

A última inovação que eu tinha ouvido falar no futebol tinha sido aquele drible da foca, que o jogador Kerlon do Cruzeiro fazia e causava a ira dos adversários.

Mas esses dias fiquei sabendo de mais um desses malabarismos do futebol, mas nessa vez no futebol feminino. Quem faz é Leah, uma brasileira que mora nos Estados Unidos desde os 2 anos de idade (e por isso não fala português direito ainda). Leah foi convocada para a seleção sub20. Apesar de habilidosa, o que tem chamado a atenção nela é o seu estilo de cobrar lateral, dando uma cambalhota no melhor estilo Daiane dos Santos duplo twist carpado : P

Não tem como explicar, só vendo o video.

Medo de eletricidade

Existem diversas fobias. Medo de altura, medo de aranhas (que gerou o filme trash Aracnofobia), medo de baratas, medo de lugares apertados, etc.

Felizmente não tenho nenhum desses em maior escala. Mas existe um medo que eu tenho. Bastante incomum: o medo de eletricidade.

Eu simplesmente não me sinto bem plugando tomadas. O grande probema é aquelas faisquinhas que saem de vez em quando. Aquilo me apavora. Se a tomada é boa, tudo bem, mas se é dessas meio ruins que sai aquelas faisconas horríveis, eu não consigo plugar. Eu inclusive já consegui desenvolver uma técnica pra dizer se a tomada é segura ou não. Por exemplo, plugs com as pontas quadradas geram mais faísca do que os com pinos arredondados.

tomada quadrada
Tomada mais perigosa

tomada de dois pinos arredondada
Tomada mais segura, mas boa mesmo são as com três pinos

O mais engraçado é que eu nunca tomei um choque realmente forte pra me causar algum trauma. Claro, já tomei aqueles choquezinhos em geladeira, etc. Mas nada que pudesse traumatizar.