Filmes simpáticos

Escrito nas estrelas é daqueles filmes super simpáticos que embora não seja magistral, e esteja recheado com algumas partes um pouco forçadas é muito meiguinho. É super simpático tal como Letra e música, com Hugh Grant e Drew Barrymore, por exemplo, que é um filme bobo mas muito bem feito.

A história em poucas palavras: um casal se conhece, mas ela (Kate Beckinsale) acha que não é hora para ficarem juntos. Por isso, ela escreve o telefone dela numa edição de Amor nos tempos do cólera, de Gabriel García Marquez, e vende num sebo. Ele (John Cusack) escreve o nome dele numa nota de 5 doláres e repassa. Caso eles reencontrassem esses objetos, o destino mandou eles ficarem juntos.


Destino … com senso de humor

Embora seja de um gênero previsível e ainda por cima o filme é cheio de coincidências, a forma como elas acontecem são muito legais e surpreendem.

Girafas, zebras e elefantes

Na falta do que postar, vou falar sobre quais são os animais mais bizarros para mim.

Na minha opinião, a disputa fica entre a girafa, a zebra e o elefante (anêmonas das profundidades abissais bizarras nao entram na disputa porque afinal, ninguém conhece esses bichos direito mesmo).

A zebra entra na disputa porque ela é listrada. Me pergunto como ela se camufla (e foge dos predadores naturais) com aquelas listras pretas e brancas ? O bizarro está em ela ter um padrão de cor tão diferente do resto da natureza e esse padrão ainda por cima ser inútil (ou é útil pra algo e eu não sei?).


Não se deixe levar por essa carinha meiga

Por sinal, vocês sabiam que as zebras são animais que não podem ser domesticados? Apesar da carinha meiga, elas não são dóceis, e portanto, não podem ser montadas tal como cavalos.

O outro animas bizarro é o elefante. Mas aparentemente as pessoas gostam deles dado que eles já foram nome de cd e de filme.

O bizarro deles está obviamente em ser um animal imenso, com um nariz imenso, orelhas imensas, uma pele dura, e um rabinho minúsculo. Além dos chifres.


Um elefante ainda mais bizarro

Mas o mais bizarro de todos na minha opinião é a girafa. Primeiro porque ela entra na mesma categoria da zebra: ela tem manchas bizarras que não ajudam na camuflagem. A girafa ainda tem uma desvantagem: enquanto o visual zebrinha e oncinha (onças também podiam entrar na lista, mas acho elas mais normais porque parecem gatos gigantes) estão sempre na moda, você nunca vê as manchinhas da girafa em bolsas e roupas. Segundo, porque ela tem uns chifrinhos que parecem anteninhas de E.T. E por último, óbvio, o pescoção totalmente fora de escala.


Giraffas é o nome de um fast food

Viagem ao centro da Terra e meu ódio aos efeitos especiais

Todo mundo tá falando do Batman, mas como sou do contra, vou falar sobre Viagem ao centro da Terra, que eu assisti hoje.

Sempre que eu vejo um poster com o Brendan Fraser, eu sei que o filme é bom. A múmia, Endiabrado e Monkey Bone são alguns exemplos. Claro, às vezes ele faz uns filmezinhos mais sérios tipo Crash só pra tentar provar que ele é um ator versátil, que nem a Meg Ryan fez quando aceitou encenar um filme com cenas de sexo só pra mostrar que ela não faz apenas comédia romântica, ou que nem o Bruce Willys quando interpretou o psicólogo aquele em O sexto sentido ao invés de algum policial durão em algum filme de ação.


Monkey Bone: humor bizarro e dark dos bons

Quando fiquei sabendo do lançamento de Viagem ao centro da Terra, uma adaptação de um livro de Júlio Verne com Brendan Fraser, fiquei empolgada já que filmes de humor ou aventura com o Brendan Fraser não tem como serem ruins.

Ledo engano. Filmes de aventura dos dias de hoje já não são mais a mesma coisa. Não adianta, nenhum chega aos pés de um A história sem fim, por exemplo. Tive esperança que esse fosse bom e me decepcionei, que nem me decepcionei com A lenda do tesouro perdido, com Nicolas Cage.

E na minha opinião, o grande responsável pela queda de qualidade nos filmes de aventura são os efeitos especiais.

Vejam por exemplo o caso do Viagem ao centro da Terra. Eu sei que o filme foi feito pra ser visto com aqueles óculos 3D e tal. Mas mesmo assim, aqueles efeitos especiais são muito artificiais. Aquele dinossauro consegue ser mais falso do que os dinossauros de Jurassic Park, filme de 1993. Ou seja, mesmo com 15 anos de diferença (o que é uma eternidade em se tratando de informática), os dinossauros ficaram mais falsos, ao invés de melhorarem.

O próprio caso do Indiana Jones e o Templo da caveira de cristal também cai na categoria efeitos-especiais-atualmente-só-avacalham-os-filmes. Eu achei o filme MUITO legal, o roteiro muito bem escrito, uma verdadeira aventura dos tempos clássicos. Mas os efeitos especiais FAKES e TOSCOS avacalharam umas cenas. A cena com os insetos ficou péssima, o Mutt andando de cipó ficou podre, e a geladeira voadora pior ainda.

Antes, saber que um filme tinha muitos efeitos era qualidade, agora, pra mim é defeito.

Blogosfera feminina

A Gisele do Diva Diz e do Blog na TV publicou uma listinha bem interessante com alguns bons blogs escritos por garotas. Muitos eu conhecia, muitos eu desconhecia (e de tão bons passei a assinar o feed). Eu já tava procurando pela Internet por uma lista assim, e finalmente alguém se deu ao trabalho de publicar. Parabéns pra Gi.

Quem quiser ver a lista, clica aqui.

Aproveito pra acrescentar mais alguns blogs muito bons escritos por mulheres:

Garota Geek: Blog escrito por uma programadora. Blogs escritos por programadoras sempre são legais.

Go to Heaven: De tudo um pouco. Música, nerdzices, moda, cotidiano, ou seja, tudo que um blog precisa : )

Lia Winter: Posts pessoais muito bem escritos.

menina que joga: Acho que o único blog especializado em games escrito por uma garota. Muito bom, embora pouco atualizado.

Gisele H: O blog tem um monte de posts muito legais e interessantes que valem assinar o feed.

nerd nas horas vagas: O título do blog não é totalmente verdadeiro. A Larissa parece do tipo que é nerd nas horas vagas e em todas as outras também ; )

Ana Carolina Jaskulski: blog sobre computação e tecnologia. Recomendadíssimo.

update:

Sem Criatividade: esqueci de mencionar um dos meus blogs favoritos atualmente.

O choque de Lasier Martins e o Gyodai

Graças a Internet, mais especificamente ao Youtube, o choque que Lasier Martins ficou conhecido nacionalmente. Devido a horda de desocupados, várias versões do choque foram criadas. Cada pessoa tem a sua favorita. A minha é a do Rayden do Mortal Kombat. O fatality e o flawless victory ficaram ótimos.

Outras versões interessantes, entre várias, são Lasier na vila do Chaves e Power Bazooka no Lasier.

Mas existe uma versão que eu não gosto. Quer dizer, não é que eu não goste, mas é que como fã purista de tokusatsu (fãs puristas odeiam Power Ranger porque é americanizado), me desagrada um grave erro que ela tem. Vou explicar.

Existe uma versão conhecida como Gyodai dando choque no Lasier. O erro grave está que ela nos leva a pensar que Gyodai dá choques pelo olho da boca, o que não é verdade. Depois que um monstro é derrotado com a Power Bazooka dos Changeman (Changeman são heróis japoneses dos anos 80), Gyodai surge e com o seu laser que sai pelo olho da boca, ele não só ressucita o monstro dado como morto, mas também o aumenta, ou seja, deixa ele gigante. Quando isso acontecia, só restava aos Changeman usar seu robô gigante para exterminar o monstro de uma vez por todas.

Logo, o que deveria acontecer no vídeo é o Lasier ficar GIGANTESCO, e não eletrocutado.

Abaixo a versão com Gyodai dando o choque no Lasier, e a versão de Gyodai aumentando um monstro do seriado.

Diz a desciclopedia que hoje em dia Gyodai tem outra função, mas eu acho que é boato : P

Meu aniversário

O dia mais esperado do ano, ou seja, o meu aniversário, foi dia 2 de julho. Dado que eu tinha uma prova importantíssima no dia seguinte, nem pude fazer uma festa. Mas como fui bem na prova, valeu a pena ter estudado.

Apesar de não ter tido festinha, ganhei vários presentes que me deixaram muuuuito feliz. E como sou toda orgulhosa, vou mostrar aqui:

Da minha mãe e do meu pai, ganhei o que eu tinha pedido: um roupão para se secar após o banho. E não é qualquer um. É da M. Martan. Pra quem não conhece a marca, é uma loja fina de cama, mesa e banho. Aqui em Porto Alegre, por exemplo, a loja fica no Shopping Moinhos.

Do meu amigo Kero, ganhei uma caixa do meu bombom favorito, o Ferrero Rocher. Claro que comi todos no mesmo dia.


foto da caixa (os chocolates já tinham sido consumidos)

Do meu irmão, ganhei essa miniatura da Lisa Simpson. Segundo ele, porque eu sou sua irmazinha caçula inteligente.

Traumas de infância: o filme A História sem fim

Um dos meus filmes favoritos de todos os tempos é A história sem fim. Um clássico de aventura dos anos 80. Tão clássico que é até citado em músicas. Por exemplo, na música Shakin’ da banda californiana Rooney (essa música também toca num episódio do seriado The O.C). Esse filme também é quase sempre citado em listas de melhores filmes de fantasia, junto com filmes com o calibre de O senhor dos Anéis.


Falcon, a criatura voadora do filme. Ele só perde em meiguice para o gato de botas de Shrek 2


Falcon de novo, numa aparição especial em Family Guy

Tem uma cena em História sem fim que muito me marcou. Nessa cena, Atreyu (o herói junto com Bastian) e seu cavalo devem atravessar um pântano. Mas esse pântano tem uma peculiaridade: se você tiver pensamentos ruins como medo, você afunda e morre.


Atreyu e seu cavalo

Atreyu consegue atravessar o pântano. Mas seu cavalo não consegue, e afunda.

Essa cena contando desse jeito, parece simples, mas ela é super-ultra-mega-chocante. Tipo, eu ficava muito impressionada quando assistia ela. Só que eu achava que era porque eu sou meio medrosa e tal.

Mas após escutar o NerdCast sobre traumas de infância, descobri que o Jovem Nerd também se traumatizou com essa cena. Depois, falei com uma amiga, e ela também relembrou dessa cena como um trauma de infância.


Nerdcast!!!

Daí fui procurar essa cena no Youtube. E não é que achei.

Vejam, o cara que postou o vídeo disse que é a melhor cena do filme. Que cara do mal.

Esse é um dos comentários que tem no link desse video, o qual concordo plenamente:

best part? man that is cruel. saddest part yes

Nesse outro vídeo sobre a cena, mais comentários de pessoas chocadas:

I was about 7 when i saw this clip, and a MASSIVE horse fan ( still am! ) aand i cryed everytime i saw this.<

Esse comentário é ótimo:

Forget schindlers list, the end of terminator 2, the green mile, American History X, etc etc this sad scene pwns them all!!!!

O pior foi que com outros comentários descobri que parece que o cavalo de fato morreu mesmo nas filmagens da cena. Será que isso é verdade?

De qualquer forma, fica evidente que essa cena foi mal dimensionada para seu público alvo uma vez que traumatizou uma grande quantidade de crianças. O diretor desse filme deveria ser processado : P

E você ? Se lembra desse filme ? Tem algum outro trauma de infância ?