Filmes simpáticos

Escrito nas estrelas é daqueles filmes super simpáticos que embora não seja magistral, e esteja recheado com algumas partes um pouco forçadas é muito meiguinho. É super simpático tal como Letra e música, com Hugh Grant e Drew Barrymore, por exemplo, que é um filme bobo mas muito bem feito.

A história em poucas palavras: um casal se conhece, mas ela (Kate Beckinsale) acha que não é hora para ficarem juntos. Por isso, ela escreve o telefone dela numa edição de Amor nos tempos do cólera, de Gabriel García Marquez, e vende num sebo. Ele (John Cusack) escreve o nome dele numa nota de 5 doláres e repassa. Caso eles reencontrassem esses objetos, o destino mandou eles ficarem juntos.


Destino … com senso de humor

Embora seja de um gênero previsível e ainda por cima o filme é cheio de coincidências, a forma como elas acontecem são muito legais e surpreendem.

Anúncios

Meu aniversário

O dia mais esperado do ano, ou seja, o meu aniversário, foi dia 2 de julho. Dado que eu tinha uma prova importantíssima no dia seguinte, nem pude fazer uma festa. Mas como fui bem na prova, valeu a pena ter estudado.

Apesar de não ter tido festinha, ganhei vários presentes que me deixaram muuuuito feliz. E como sou toda orgulhosa, vou mostrar aqui:

Da minha mãe e do meu pai, ganhei o que eu tinha pedido: um roupão para se secar após o banho. E não é qualquer um. É da M. Martan. Pra quem não conhece a marca, é uma loja fina de cama, mesa e banho. Aqui em Porto Alegre, por exemplo, a loja fica no Shopping Moinhos.

Do meu amigo Kero, ganhei uma caixa do meu bombom favorito, o Ferrero Rocher. Claro que comi todos no mesmo dia.


foto da caixa (os chocolates já tinham sido consumidos)

Do meu irmão, ganhei essa miniatura da Lisa Simpson. Segundo ele, porque eu sou sua irmazinha caçula inteligente.

Traumas de infância: o filme A História sem fim

Um dos meus filmes favoritos de todos os tempos é A história sem fim. Um clássico de aventura dos anos 80. Tão clássico que é até citado em músicas. Por exemplo, na música Shakin’ da banda californiana Rooney (essa música também toca num episódio do seriado The O.C). Esse filme também é quase sempre citado em listas de melhores filmes de fantasia, junto com filmes com o calibre de O senhor dos Anéis.


Falcon, a criatura voadora do filme. Ele só perde em meiguice para o gato de botas de Shrek 2


Falcon de novo, numa aparição especial em Family Guy

Tem uma cena em História sem fim que muito me marcou. Nessa cena, Atreyu (o herói junto com Bastian) e seu cavalo devem atravessar um pântano. Mas esse pântano tem uma peculiaridade: se você tiver pensamentos ruins como medo, você afunda e morre.


Atreyu e seu cavalo

Atreyu consegue atravessar o pântano. Mas seu cavalo não consegue, e afunda.

Essa cena contando desse jeito, parece simples, mas ela é super-ultra-mega-chocante. Tipo, eu ficava muito impressionada quando assistia ela. Só que eu achava que era porque eu sou meio medrosa e tal.

Mas após escutar o NerdCast sobre traumas de infância, descobri que o Jovem Nerd também se traumatizou com essa cena. Depois, falei com uma amiga, e ela também relembrou dessa cena como um trauma de infância.


Nerdcast!!!

Daí fui procurar essa cena no Youtube. E não é que achei.

Vejam, o cara que postou o vídeo disse que é a melhor cena do filme. Que cara do mal.

Esse é um dos comentários que tem no link desse video, o qual concordo plenamente:

best part? man that is cruel. saddest part yes

Nesse outro vídeo sobre a cena, mais comentários de pessoas chocadas:

I was about 7 when i saw this clip, and a MASSIVE horse fan ( still am! ) aand i cryed everytime i saw this.<

Esse comentário é ótimo:

Forget schindlers list, the end of terminator 2, the green mile, American History X, etc etc this sad scene pwns them all!!!!

O pior foi que com outros comentários descobri que parece que o cavalo de fato morreu mesmo nas filmagens da cena. Será que isso é verdade?

De qualquer forma, fica evidente que essa cena foi mal dimensionada para seu público alvo uma vez que traumatizou uma grande quantidade de crianças. O diretor desse filme deveria ser processado : P

E você ? Se lembra desse filme ? Tem algum outro trauma de infância ?

Eu conheci o Jiraya

Quando eu era criança, eu até curtia a moranguinho, a barbie, bonecas em geral, mas não adiantava, o que eu curtia mesmo eram seriados japoneses de heróis. E dentre todos eles, o meu favorito era Jiraya, o incrível ninja.

O seriado, basicamente, falava sobre um ninja que defendia a paz da Terra. O protagonista era Toha Yamashi, a forma civil de Jiraya. Abaixo uma foto com o Jiraya, seu irmão menor Manabu, sua irmã e o seu mestre (e pai adotivo), Tetsuzan Yamashi.


A familia unida


Toha (o Jiraya) e Dólar, seu cachorro

Eu tinha entre 7 e 9 anos enquanto ele passou no Brasil. Eu era tão fã, que no meu aniversário de 8 anos pedi de presente uma fantasia de Jiraya tosca mas que para crianças era super realística. Minha mãe me levou na loja de brinquedos (a falecida Superfestas, lugar de brinquedo, lugar de criança) e lá, descubro que além da fantasia, tinha pra vender uma espada olímpica de plástico com bainha e tudo. Dúvida cruel: peço a fantasia ou a espada? Minha mãe vendo a minha cara de indecisão (eu já era indecisa desde aquele tempo) resolve me dar os dois. Êxtase total.


Meu irmão com a fantasia e a espada olímpica

Além desses brinquedos, eu também tinha o disco do Jiraya. Tenho até uma fita VHS do meu aniversário de 7 anos no qual eu danço a música de abertura.


Capa do disco


Contracapa


Disco e encarte

Então, num evento chamado Anime World, organizado em Porto Alegre em Julho, um dos convidados especiais foi Takumi Tsutsui, nada menos do que o ator que interpretava Jiraya no seriado ! Apesar de eu estar meio enjoada de eventos de anime (acho que já fui em mais de 10), óbvio que fui lá.

E não é que consigo apertar a mão e tirar uma foto com o herói da minha infância mais ou menos 15 anos depois do seriado ter terminado no Brasil !? Emoção total !!! Pena que meu japonês ainda é insuficiente pra bater um papo ! E pena que não tive a idéia de levar meu disco pra ele autografar. Mas mesmo assim , um sonho de infância realizado !


Takumi Tsutsui, o Jiraya, e o loiro é Akira Kushida, cantor da abertura e encerramento do seriado em japonês

Pela foto, dá pra ver que Takumi mesmo aos 47 anos tá super novo !

Valeu Anime World por trazerem eles pra Porto Alegre !

Ainda tive a chance de conversar com o Ricardo Cruz, cantor brasileiro de anisongs que é pura simpatia. Graças a conversa, descobri que o ator que fazia o Jaspion, hoje em dia, mora em Okinawa e é professor de mergulho. Na minha viagem pro Japão que eu vou fazer um dia, vou tentar incluir umas aulas de mergulho : P

Pra terminar esse post, fiquem com a abertura em português do seriado.

Shoptime, Domingo animado e Lego de Futurama

Durante o meu segundo grau eu era bem desocupada. Estudava pela manhã (e mais 2 tardes), e não trabalhava. Além disso, visto que era segundo grau (ou ensino médio, whatever), quase nunca estudava em casa.

Eu também não saia muito, porque bem, eu não era muito social (por assim dizer) na época.

Logo sobrava muito tempo livre pra ser preenchido. E como na época Internet banda larga era um sonho impossível, nem baixar seriados/animes eu podia. E pra piorar ainda mais a situação, eu também não tinha nenhum videogame.

O que acabou acontecendo é que eu assistia muita televisão (ainda mais porque eu tinha tv a cabo). Um dos canais que eu gostava bastante por incrível que pareça era o Shoptime. Era no tempo em que os apresentadores eram Viviane Romaneli, Monique Evans, Ciro Botini (esse eu acho que tá até hoje) e Takeshi (acho que também tá até hoje).

Eu gostava porque os apresentadores eram muito engraçados. Fora vários erros que aconteciam pelo fato do programa ser ao vivo. Mas claro, depois de um tempo, enjoou.


Viviane no TVUD

Outro de meus canais favoritos era a Fox. Especialmente porque eles tinham um bloco chamado (se não me engano) Domingo Animado. Nesse bloco passava em sequência (mas não necessariamente nessa ordem) os desenhos O rei do pedaço (que eu nunca assistia porque era uma droga), Os Simpsons, Family Guy (uma família da pesada), o excelente seriado Malcolm, e um dos desenhos mais legais do mundo: Futurama.

Até hoje eu não entendo porque não fez um sucesso que fosse pelo menos metade do que a outra cria de Matt Groening fez. Futurama é muito mais legal, muito mais engraçado, cheio de referências a ficção científica e cultura pop.

Certo que um dia vou comprar todas as temporadas pra poder rever episódios como Titanic do Espaço e Piloto Espacial 3000, além das útlimas temporadas que nunca tive a chance de ver inteira.

Pra terminar o post, vejam essa versão Lego de Futurama muito bem feita e engraçada. Pra ver muito mais imagens, vá nesse site.


Versão Lego do Bender. E não é o blogueiro


Professor Zoidberg: inventor da dança do siri e único Lego que conseguiu ficar com as mãos igualzinhas ao original.