Últimos filmes que vi no cinema

Vi um monte de filmes no cinema esse mês, como não vou fazer um post pra cada um, ai vai minha opinião em poucas palavras sobre eles.

Se beber não case: Mesmo não sendo meu tipo de filme, me diverti um monte, é muito engraçado. A narrativa não linear e o mistério sobre o ocorrido aliado a ótimas piadas deu num resultado muito legal. Dá uma decaida no final, mas se recupera nos créditos finais.

Uma prova de amor: É filme pra quem gosta de DRAMA (com letras maiúsculas mesmo). Tipo, se você gosta de filmes O óleo de Lorenzo style, vai adorar esse daqui, embora não seja tão bom quanto. O filme tem umas partes meio desnecessárias, como o drama do irmão da menina doente, mas mesmo assim ele nunca fica arrastado. E você fica realmente curioso pra saber se a Abigail vai ganhar o caso ou não. Além disso, a Cameron Diaz tá ótima. Mais uma vez provando que é uma boa atriz num papel bem difícil. E Abigail Breslin ? Nunca vi Pequena Miss Sunshine, mas já me apaixonei por ela, muito meiga. Pena que cresce.

A verdade nua e crua: Eu amo comédia romântica, e esse filme tinha tudo pra ser bom, mas é uma bomba. A protagonista feminina não tem um pingo de simpatia, e as cenas são forçadas até pra uma comédia romântica. Claro que com tanta ‘forçação’, acaba eventualmente acontecendo umas situações engraçadas, mas a maior parte é só constrangedora mesmo, como a cena que ela fica pelada pendurada na árvore. O final no balão é de dar pena. Tão ruim quanto “Como perder um homem em 10 dias”. Pelo menos tem o Gerard Butler.

Up – altas aventuras: O filme tem a introdução mais bonita de todos os filmes da Pixar, sendo que a introdução é quase sem diálogos. É tão bonita que te faz quase chorar sem ser apelativa em nenhum momento. Só que depois o roteiro não se segura e acaba virando um filme com caretinhas e piadinhas bobas. Mas ainda assim o resultado final é bastante satisfatório.

Falando Grego: Filme que fui ver sem expectativa nenhuma e acabou se demostrando ótimo. Eu imaginava que ia ser só uma comédia romântica boba na Grécia, mas na realidade é uma grande e muito bem feita sátira as excursões de turismo. Como todo mundo já viajou em algumas excursão, não tem como não achar engraçado. Virei fã da Nia Vardalos, preciso ver Casamento Grego de uma vez.

E vocês, viram os filmes ? Curtiram ?

Carmen Sandiego, Wally e comida mexicana

Eu sempre fui fã de geografia. Quer dizer, sempre me interessou saber as capitais dos países, onde eles estão localizados, as bandeiras, a sua cultura, etc. Uma vez dada essa informação, quando eu era criança eu também passava horas jogando Mega Drive. E foi por isso que quando lançaram Where in the world is Carmen Sandiego para essa plataforma todo traduzido para o português, parecia que tinham lançado esse jogo pensando em mim.


O jogo da Carmen Sandiego

Nele, você é uma espécie de detetive e tem que perseguir os comparsas da Carmen Sandiego pelo mundo, até que no final você prende ela. O problema é que a ladra se esconde muito bem. Dizem que o objetivo principal dela era encontrar o Wally para dar a luz a um filho impossível de encontrar.


Como encontrar o filho deles?

Mas ela mal sabia que Wally, mesmo com essa carinha de bobinho que perde suas coisas por todo lugar, já tinha uma namorada, a Wilma.


Uma das primeiras indies do mundo.

E ela tinha uma irmã gêmea, a Wenda.


Wenda.

Por sinal, vocês não acham que a Carmen Sandiego, como vilã, não combinaria muito mais com Odlaw, arquiinimigo do Wally ?


Odlaw

Odlaw é Waldo ao contrário. Waldo é o nome do Wally nos Estados Unidos e Canadá (Wally foi criado por um britânico e por algum motivo bizarro sua obra foi rebatizada na América do Norte). Desculpa se tem algum Waldo que assina o feed desse blog, mas por favor, que nome horrível, deviam ter deixado Wally.

Mas voltando ao jogo da Carmen Sandiego, A moral dele era ficar perguntando pra galera da cidade onde tava os larápios e receber pistas sobre quem era o bandido e pra onde ele tinha ido. E as pistas eram justamente cores da bandeira do lugar, a moeda, a capital, a comida típica, etc. Só que você tinha que com o minímo de pistas possíveis desvendar onde o infrator tinha ido, pegar um avião e segui-lo. Mas era pouco tempo disponível, logo se você ficasse perguntando muito ou errasse a localização do gatuno várias vezes, o crime vencia. E era assim o jogo inteiro. Cada vez que você capturava um número x de bandidos, era elevado de cargo.

De fato era meio repetitivo, mas mesmo assim joguei feito louca, porque queria muito encontrar a Carmen. O problema é que minha nossa senhora, existiam 10 zilhões de cargos e por isso eu nunca virei o jogo. Ou seja, nunca pude botar Carmen Sandiego atrás das grades.


Mari, não te preocupa, eu também nunca encontrei a Carmen Sandiego.


Mari e meu caro Watson, deixe-me contar um segredo que pode ferir minha reputação mas eu nunca encontrei Carmen Sandiego em toda minha vida também.

Obrigada amigos, vocês fazem eu me sentir melhor !!!

Pelo menos eu muito aprendi com esse game. Por exemplo, uma das pistas era o esporte favorito do meliante. E muitas vezes esse esporte era o Cricket, esporte que até então eu nunca tinha ouvido falar. Mas como os foras-da-lei que gostavam sempre iam pra Índia, deduzi fantasticamente que era o esporte número um desse país. Além disso, outra pista era o prato favorito. Muitas vezes o prato era Tacos. Novamente, jogando muito o game descobri ser uma comida do México.

A questão é, eu achava engraçado uma comida ter esse nome. Tacos não é nome de comida. Tacos pra mim é o plural de um esporte de rua também conhecido como bete.

Eu queria na época saber mais sobre esse prato por causa do nome engraçado, mas tipo, não tinha como desvendar esse mistério. Não existia Internet, ou seja, não tinha nem uma wikipedia pra resolver ! E nem adiantava recorrer a uma livraria pra procurar porque naquela época não tinha essa coisa de ir na livraria Cultura/FNAC da vida, pegar o livrinho na maior, ler ele inteiro de graça e devolver. Não, não. Tinha um balcão chatíssimo entre você e os livros, e eles só eram acessíveis através de um atendente que sempre tinha cara de poucos amigo e não te deixava folhear muito o livro. O jeito foi viver com a dúvida.


É, eu também aprendi a viver com dúvida.


Pois eu também meu caro leitor.

Depois que a Internet e modernidade chegaram em minha vida eu finalmente descobri como era a tal comida. Ah, você também não conhece essa iguaria mexicana né? Só conhece tequila seu bêbado. Então eu te apresento:

Tacos

Não que pareça super apetitoso, mas deu vontade de provar né. E depois de anos e anos finalmente tive a oportunidade: semana passada enfim fui com uma galera a um restaurante mexicano, o Pueblo.

Restaurante bonito e tal, começamos por Nachos. Nachos nada mais é do um Doritos mais fininho saído do forno em geral com queijo por cima. Para acompanhar, guacamole, um molho feito de abacate. Depois era a vez do prato principal, o prato misterioso do jogo da Carmen Sandiego. Depois de alguns minutos de ansiosa espera o garçom chega com o pedido.

O que dizer depois de anos de expectativas? Na real não passa de uma quase panqueca mas é bem saboroso. E agora chega de papo que vou baixar a rom do jogo e me divertir no PSP ; )

Uma análise profunda do seriado iCarly

iCarly é o seriado resposta da Nicklodeon ao sucesso de Hannah Montana da Disney. Como eu tinha visto Hannah Montana e curtido, resolvi ver iCarly né, vai que é melhor. Procurei na internet e fiz o download pra conferir.


Resposta? E qual pergunta eu fiz?

Bom, dizer que iCarly é uma cópia de Hannah Montana é uma coisa que só os não antenados em séries infantis podem dizer. Uma comparação muito mais justa e adequada é com o Disney CRUJ, uma vez que iCarly está muito mais para uma releitura dos tempos atuais do Disney CRUJ.


Cruj Cruj Cruj tchau

Lembram do Disney CRUJ né? Comitê Revolucionário Ultra Jovem. Eram três personagens, o Macaco (dá o play macaco), o Chiclé, e o Caju, o lider da turma. Eles se disfarçavam e faziam um programa de TV num escoderijo da casa deles. Pegavam um sinal pirata e transmitiam pra todo o Brasil vários desenhos como Timão e Pumba por exemplo, além de fazer vários protestos em prol dos ultra jovens. Depois veio a Maluka, uma personagem feminina que usava umas perucas loucas.

Então, iCarly são duas meninas, a Carly e a Samanta que fazem um programa também. Só que os tempos são outros né, era da internet e tal, não faz sentido transmitir por sinal pirata, então elas transmitem pela Internet, ou seja, fazem um videocast. E é o maior sucesso, só que elas não transmitem desenhos, e sim curiosidades gerais bizarras (dá pra beber espaguete com almôndegas?), e o seriado gira em torno dos bastidores do programa.


Dá um pageview pra gente.

Mas ao contrário de Hannah Montana, eu não curti muito. É engraçadinho, mas pra mim faltou alguma coisa que eu não sei bem o que é, aquela empatia que só alguns seriados conseguem causar.