Livros de história para não historiadores

Eu sempre gostei de História. É como cinema na vida real. Mas tinha uma coisa que eu nunca gostava: no colégio pelo menos, e especialmente em cursinhos pré-vestibulares, a história é sempre ensinada como fato e consequência, com um distanciamento do lado pessoal das entidades envolvidas, afinal, não interessa se Dom João gostava de comer asinhas de galinha com manteiga, interessa é se ele modernizou o Brasil, as consequencias de suas decisões, etc.

História ensinada assim não me encanta, porque se perde o fator cinematográfico e tudo se transforma numa sucessão de fatos e datas que somos obrigados a decorar na escola.

Eu já tentei ler livros mais aprofundados sobre História do Mundo. Por exemplo, já tentei ler livros de Eric Hobsbawn. Tentei, porque nunca passei de 50 páginas. Pra mim, são livros de historiador profissional, eu sou historiadora de fim de semana, que gosta de história como estória.

E é por isso que eu gosto tanto dos livros 1808 sobre a vinda da família real para o Brasil, quanto o 1822 sobre a Indepêndencia, ambos escritos por Laurentino Gomes, que talvez por ser jornalista, e não historiador, consiga fazer livros mais agradáveis de ler. Agradáveis não (só) por serem mais fáceis, mas por se aprofundarem na vida dos personagens, por tentarem descrever a personalidade dos reis, príncipes e demais envolvidos, e como isso afetou e influenciou em suas decisões.

Livros escolares sempre me passam a ideia que não importa muito quem está no poder, só os acontecimentos, que Dom João, Dom Pedro I e Dom Pedro II tem personalidades parecidas e só muda a época de reinado. Que se tivessem personalidades diferentes, isso pouco afetaria os rumos da história, pensamento completamente equivocado.

E só com um livro desses eu descobriria que a Imperatriz Leopoldina era nerd! Não gosto muito de samba ou carnaval e não torço por nenhuma escola de samba, mas se for pra torcer, é Imperatriz Leopoldinense na cabeça : P

Cogumelos Pop

Nos últimos anos cogumelos tem ganhado uma reputação de serem muito saudáveis e seu consumo cada vez mais incentivado já que segundo pesquisas eles têm propriedades até mesmo contra o câncer. O primeiro cogumelo que todos entram em contato é sem dúvidas o Champignon, seu exemplar mais difundido na culinária brasileira e inserido em pratos que vão do strognoff a pizza. Outro que tem disputado o espaço do champignon é o shimeji, que tem ganho popularidade graças a difusão da culinária japonesa no Brasil.

Mas o fato é que a primeira vez que eu ouvi falar de cogumelos foi através de um desenho animado, um desenho do SBT do fim dos anos 80, início dos 90 chamado Nossa Turma, no original, Get Along Gang.

Era um desenho cujo personagem principal era um alce. Tinham outros animalzinhos também e todos viviam num trem. O desenho ficou realmente preso na minha mente graças a sua abertura com uma canção grudenta que nunca sofreu nenhuma adaptação para nossa língua portuguesa, era tocada em inglês mesmo. Lembro de canta-la num inglês estilo Sol do Big Brother quando era uma tenra criança.


Segundo esse video o nome do desenho era outro, mas no meu tempo era Nossa Turma, tenho certeza.

Voltando aos cogumelos, houve um episódio em que uma das menininhas ia num piquenique, comia um cogumelo selvagem e passava mal, super tenso. A lição do episódio era não coma cogumelos desconhecidos pois você pode morrer.

Lembro que não tinha entendido bem o episódio porque na minha cabeça nem existiam cogumelos selvagens, pelo menos nunca tinha visto cogumelos em bosques (não que eu tivesse ido a muitos), o certo é que se visse um, não comeria.

Mesmo eles parecendo tão bonitinhos na minha imaginação, como pequenos guarda-chuvinhas comestiveis.

Mas ao crescer percebi que cogumelos eram saborosos (não os selvagens!) e acabei virando fã de shimeji na manteiga e outras receitas com esses fungos mesmo que desincentivada por desenhos animados ou família (já que ninguém gosta). Entretanto é fato que cogumelos são criaturas que podem ser esteticamente bastante estranhas às vezes conforme essas fotos.

Alguns bem fálicos, mas isso não vem ao caso.

Mas esses são os cogumelos da culinária, o cogumelo também sempre esteve presente na cultura pop, como por exemplo no jogo Mario, com cogumelos vermelhos e verdes.

Além de serem úteis na culinária e nas jogadinhas de Mario, cogumelos são conhecidos pelos seus efeitos alucinógenos, esses eu não conheço, o fato é que poucos conhecem uma vez que são legais apenas na Holanda.

Não que a ilegalidade impeça as pessoas de os descobrir, mas nunca ouvi falar de tráfico de cogumelos.