Capas de Caderno, a difícil escolha das crianças e adolescentes

Na minha época, pelo menos para mim, comprar material escolar era sempre uma festa, a parte mais legal era escolher as capas dos cadernos. Escolha de suma importância na vida de qualquer criança, visto que aquela capa iria acompanha-lo pelo ano inteiro, de Segunda a Sexta. Uma outra escolha vital, era decidir se as capas mais legais iriam ser destinadas as matérias menos legais ou as mais legais. Dar uma capa muito legal para uma matéria chata, tipo química, era uma maneira de tornar aquela matéria algo mais agradável, nem que fosse pelo menos esteticamente. Ao mesmo tempo, a vontade era de dar a capa bonita para a matéria legal, tipo história e geografia, já que ela proporcionava horas agradaveis no colégio.

Quando eu era bemmm criança, uma coisa que fazia mega sucesso eram capas de caderno com temática relativa a Xuxa. Adorava esses cadernos. Bom, a Xuxa era definitivamente onipresente nessa época.

Outra que super fazia sucesso eram capaz da Click, com atores. Sério, todo mundo tinha. Se você tem mais de 25 e menos de 35 você lembra !!!


Ana Paula Arósio


Luana Piovani

Esse da Norma fazia sucesso porque era barato e tinha capa dura. Tipo, houve um tempo que caderno capa dura era LUSHOOOOOO total. E esse era o mais barato de capa dura que existia entendeu, pior dos melhores. Porque caderno de capa mole, ninguém merecia.

Óbvio, tinha os clássicos de sempre também, tinha caderno de time de futebol (esse muita gente tinha), da Moranguinho, da Barbie, da Disney, da Monica, temática Ecológica, etc. Mas uma coisa você nunca via: os ídolos da adolescência estampando as capas de caderno. Naquela época sem internet ou com internet lenta, demorava muito para as empresas licensiadoras trazerem pras capas de caderno os nossos ídolos. Fato é que ninguém teve caderno das Spice Girls, dos Backstreet Boys e de tudo que fez sucesso na época exatamente por esse motivo. Mas hoje as coisas são diferentes, a Foroni, Tilibra e Credeal tão se puxando, vejam só:

Luan Santana

Restart.

Justin Bieber

Só não achei de Crepúsculo, mas deve ter.

E hoje em dia, tem até capa de caderno com temática de jogo de videogame de PlayStation!! No caso, God o war !!!

Bah, se tivesse de algum outro jogo que eu gostasse mais, tipo Uncharted, compraria certo, nem iria me importar que é capa de caderno de menino : P Por sinal, isso me lembra a vez em que com 5 anos fui pra creche com uma camiseta do Jaspion, um dos herois da infância, e um menino da mesma idade, de certo com inveja da minha camiseta super mega master linda, disse que era camiseta de guri. Eu idiota me abati com a crítica. Certo que se eu tivesse nascido na época do youtube, teria sido a protagonista desse video:

Outro caderno super legal, que to me coçando pra não comprar, são esses dos Beatles. Tipo eu nem tenho aonde usar cadernos, mas as capas são tão lindas !!!

Lindas também são as capas que a Foroni fez com designs do Paul Frank. Essa com cupcake linda é da coleção nova.

E tem também uns lindos de Alice nos Pais das maravilhas, outro de vilãs da Disney, de Star Wars, Pepsi retrô …

Fora que lembrei agora que dos adesivos que sempre vinham nesses cadernos, na minha turma rolava muito escambo de adesivo.

Tantas opções … depois desse post longo e cheio de fotos, no próximo post sobre material escolar, vamos falar da guerra Fichário X Caderno : P

Vacas, bois, bezerros e vaquinhas da Cultura Pop

A sensação do momento agora em Porto Alegre é a Cow Parade, sabem né, a exposição da vaca. Se eu não me engano, 50 artistas pintam 50 vaquinhas e depois alguém espalha elas pela cidade por um certo tempo. A graça é passar pelos lugares e admirar as prosaicas vacas, dos mais variados tipos e cores. A exposição já passou por Nova Iorque, São Paulo e várias outras cidades, provando que as vacas estão definitivamente em alta, seja estando aí pelas ruas, seja como nomes de blog

Não sei quem que inventou a Cow Parade, só sei que essa pessoa deve ter se baseado na Índia.

Para os fiéis leitores desse blog, que acompanham minhas estripulias por aí, não é novidade, mas para os eventuais novos leitores, eu estive no ínicio desse ano na Índia num intercâmbio. Foi a minha oportunidade de ver ao vivo e a cores o único país do mundo que não apenas tem uma exposição permanente de Cow Parade, mas cujo a Cow Parade é a única que todas as vacas são vivinhas da silva. Ok, não é exatamente uma Cow Parade, mas tem vacas pela rua né, será que não dá pra considerar?


Essa mimosa machucadinha tava comendo a decoração de um carro

Alguns diriam que não, pq as vaquinhas da Índia não são pintadas, não existe arte no corpo daquelas vacas que pastam alegremente pelas ruas de Mumbai, Nova Delhi e Bangalore, mas vocês estão enganados, existem vaquinhas decoradissímas por lá. Um exemplo é esssa vaca amarela que flagrei num momento totalmente paparazzi.


Vaca amarela

Já essa vaca era tão legal, tão querida, que decidi tirar uma foto com ela, e vocês sabem, foto é o autógrafo do século XXI.


A vaca e Eu

E essa minha gente, que tava pegando uma cor faceira na praia? Coisas da Índia.


E o protetor solar?

Vacas indianas a parte, nem sempre as vacas estiveram assim, na moda, com direito a Cow Parade e tudo mais. A última vez que as vacas foram lembradas, pobre delas, nem foi por um bom motivo, foi na época do tal do mal da vaca louca, onde esses animalzinhos que nos alimentam com seu leite e carne foram alvo de uma terrível doença. Mas dessa vez, é Cow Parade, coisa boa e tal. Mas pensando bem, vacas são animais injustiçado: Quantos cachorros famosos você consegue lembrar de cabeça? Benji? Lassie? Beethoven, o magnífico? E muitos outros, certo? Agora, pense em quantas vacas famosas você consegue lembrar.

Tempo. Tic Tac Tic Tac Tic Tac Tic Tac Tic Tac.

Behhhhh. Tempo Esgotado.

No meu caso, depois de muito pensar, a única a vaca que me veio a cabeça foi a Vaca da Vaca e o Frango. Vejam só, como esses seres são pouco lembrados pela nossa amada cultura pop. E em filmes, a única que me vem a cabeça é aquela que o Tiranossauro Rex come em Jurassic Park. Onde afinal estão as vacas famosas do mundo?

Os bois também valem.

Mu

Mais alguns artista de Pop Art

Depois de dois posts falando sobre Andy Warhol, é hora de falar sobre outros artistas importantes da Pop Art. O mais conhecido depois do Andy é Roy Lichtenstein. A obra dele mais significativa é quase toda baseada em quadrinhos. Logo, se você ver alguma coisa que lembre quadrinhos exposta numa galeria, há grandes chances do artista ser ele.



Por que ao invés de fazer quadros retratando quadrinhos ele não fez quadrinhos contando quadros?

Yayoi Kusama é uma artista pop Japonesa viva até hoje. Se você ver um monte de bolinhas em alguma obra, grandes chances de ser ela a dona. Não, não me perguntem o que quer dizer os pontos, mas vai dizer que as obras não são bonitinhas?


Dots Obsession é o nome da obra


Aposto que a doença favorita dela era catapora

Wayne Thiebaud é o artista dos doces retrô. Se o quadro tem alguma guloseima antiga meiga, chute ele como autor do quadro.


Qual criança não adorava essas “maquininhas” de bala?


O que leva alguém a pintar praticamente só doces?

Bom, têm também aqueles artistas one hit wonder, isto é, fizeram só um quadro relevante. Aqui vai três deles:

Jasper Johns: Ele fez um quadro chamado flags, aquele com uma bandeira por cima da outra, que você já deve ter visto.

Richard Hamilton: Um inglês considerado o cara que iniciou a pop art, com o quadro “O que faz os lares de hoje serem tão diferentes, tão chamativos?“.


O que faz os lares de hoje serem tão diferentes, tão chamativos ? Nesse caso com certeza é um homem musculoso nú no meio da salá : P

Peter Blake: Fez a capa do disco Sargent Peppers Lonely Hearts Club Band dos Beatles, considerada uma das capas de disco mais marcantes de todos os tempos. Nem preciso botar foto né?

Andy Warhol, Watchmen, Star Wars e Wolverine

Como eu dise no outro post, Andy Warhol é considerado gênio porque soube captar a essência da segunda metade do século XX. A influência dele na arte é reconhecida e mostrada em Watchmen. No início do filme aparecem algumas cenas desse século, mas num mundo alternativo, onde os heróis existem e convivem entre nós. Numa dessas cenas, aparece Andy Warhol apresentando uma de suas obras baseada em um desses heróis. Nada mais justo, uma vez que se eles existissem de verdade, seriam ícones da cultura pop, e por isso tenho certeza que seriam retratados por Warhol, ainda mais visto que Warhol de fato, usou como temática os quadrinhos em algumas de suas obras.


Superman pintado por Andy Warhol. Tem também um do Batman

Nessa cena de Watchmen, percebe-se claramente que Warhol está apresentando seu quadro no seu estúdio, a Factory.


Cena dos créditos iniciais de Watchmen

A Factory era uma fábrica abandonada em Nova Iorque que Warhol comprou e decorou quase toda na cor prata (mesma cor de sua peruca, acho que ele curtia essa cor). De dia ele trabalhava lá, e de noite aconteciam grandes festas no local. Além disso, o lugar estava sempre de portas abertas por isso era sempre cheio. Mas não era só ralé que aparecia por lá, alguns frequentadores eram nada menos que Bob Dyan, o pessoal dos Rolling Stones, Salvador Dali, Judy Garland, etc. E pelo visto tinham também pessoas louquíssimas que frequentavam a Factory porque no filme, do nada, aparece um cara passando pelado (!)


Um segundo antes do peladão aparecer

Apesar de “festeiro”, Warhol era tímido, nunca casou e morava com a mãe. Warhol também sempre foi extremamente irônico como dá pra ver nessa entrevista da BBC, livremente traduzida por mim.

Edward Smith: Você gostaria de ver suas obras penduradas em muitas paredes ?
Andy Warhol: Uh, não, eu gosto delas dentro de guarda-roupas.

Uma das frases mais conhecidas do mundo foi dita por ele: “In the future everyone will be famous for fifteen minutes”. ou seja, “no futuro todo mundo será famoso por 15 minutos”. Notem que mesmo havendo um quê de ironia na frase, ela de fato, cada vez parece mais real com a massificação da Internet, que faz que as personalidades mais improváveis terem seus momentos de fama.

Ele também é dono de outras frases como:

The idea is not to live forever, it is to create something that will.
A idéia não é viver para sempre, é criar algo que irá.

Don’t pay any attention to what they write about you. Just measure it in inches.
Não preste atenção ao que escrevem sobre você, apenas meça em polegadas (em suma, fale mal, mas fale de mim).

Warhol teve muitos detratores, inclusive, da mesma maneira de John Lennon sofreu um atentado (mas sobreviveu) que foi retratado no filme I shot Andy Warhol (que eu não assisti).

Entre seus detratores tem também Robert Hughes, crítico de arte, que numa entrevista na revista Veja disse

“Warhol foi uma das pessoas mais chatas que já conheci, pois era do tipo que não tinha nada a dizer. Sua obra também não me toca. Ele até produziu coisas relevantes no começo dos anos 60. Mas, no geral, não tenho dúvidas de que é a reputação mais ridiculamente superestimada do século XX.”

A maior parte da obra de Warhol pode ser vista no Museu Andy Warhol, em Pittusburgh (mesma cidade onde tem a Casa Cascata de Frank Lloyd Wright). Como todo bom museu, ele não se restringe a mostrar sempre as mesmas obras. Existem exposições temporárias bastante interessantes. Na exposição atual, foi dado um desafio bastante curioso para 100 artistas. Foi entregue para eles um capacete igual ao vilão mais pop e conhecido do mundo, Darth Vader, e pediram para eles reimaginarem o capacete de Darth Vader.


WTF?

<img src="http://i207.photobucket.com/albums/bb102/mari_sm/vader-liberty.jpg&quot; alt=""/
Esse Vader Estátua da Liberdade eu curti.

Mas não é só nesse museu que se encontram obras de pop art sobre Star Wars. Essas são algumas obras de um artista japonês chamado EELUS baseadas nos filmes de George Lucas que ficou muito legal.


Vem aqui, que agora eu to mandando, vem meu cachorrinho a sua dona tá chamando


Corte, barba e cabelo para Wookies

Por fim, a editora Marvel publicou algumas capas alternativas do quadrinho de Wolverine que são releituras de obras de arte. Óbvio que Warhol também foi homenageado.


Logan também é pop, até apresentou o Oscar.

Andy Warhol, o gênio da pop art

Dos três pintores mais conhecidos do século XX (Pablo Picasso, Salvador Dali e Andy Warhol) o menos conhecido é justamente o grande representante da pop art, ironicamente, uma arte que utiliza elementos mais próximos do grande público como inspiração.

Quem é Andy Warhol ? Andrew Warhola (mudou de nome mais tarde, por achar que soava mais americano). era descedente de checos (mais um para corroborar com a tese dessa comunidade do Orkut) que teve uma infância pobre em Pittsburgh , mas sempre teve a oportunidade de estudar (ele se formou na Carnegie Mellon). Após se formar se mudou para Nova Iorque. Trabalhou no mundo publicitário, criando capas de cds (quem não lembra daquela famosa banana na capa do disco do Velvet Underground?), livros, revistas, e logo obteve muito sucesso, o que lhe abriu possibilidades no mundo da arte.


Grande Vaca Bit pop art

Por ser admirador da cultura americana e principalmente, consciente da época em que vivia (anos 50/60), Warhol utilizou como temas o consumismo e as celebridades (que na verdade não passam de suproduto do consumismo).

Embora seja considerado por muitos como um pintor, Warhol pintou pouquissímos quadros. Grande parte deles eram serigrafia, e em muitas vezes, Warhol apenas dizia o que queria e outras pessoas executavam a obra. Isso faz de Warhol um dos primeiros artistas conceituais, ou seja, um artista que idealiza uma obra mas não necessariamente a executa. Além de poder criar mais obras (já que ele teria que se preocupar somente com o conceito), a maneira de fazer suas obras refletiriam exatamente aquilo que elas retratam: rápidas, em grande escala e de certa forma impessoal (já que não teria a pincelada de Warhol). Mas notem que mesmo que ele “apenas” idealize uma obra e não a execute diretamente, é extremamente fácil de reconhecer uma obra de Andy Warhol, o que demonstra que mesmo apenas no papel de idealizador, ele conseguiu imprimir um estilo muito pessoal na sua arte.


Não é do Warhol, mas vai dizer que não foi no mínimo fortemente inspirada?

Essa a grande genialidade desse artista: Warhol, de uma maneira única, captou a essência da segunda metade do século XX.

Vejam por exemplo sua obra mais famosa, a lata de sopa Campbell’s, a sopa mais consumida nos EUA (e cara pra dedéu aqui no Brasil). Para Warhol, ela lembra o sabor da infância. Ou seja, ela representa um sabor tenro e terno mas enlatado e pronto para o consumo.


Nunca provei, mas duvido que seja melhor que sopa Meu Instante de quatro queijos da Maggi.

Warhol desenhou a Coca-Cola em sua obra não só por que é o produto mais vendido, símbolo do capitalismo, mas porque para ele, a Coca era um símbolo de igualdade. Tanto você quanto a Madonna, Tom Cruise ou Britney Spears bebem a mesma Coca-Cola. Não importa a classe social, você sabe que a Coca-Cola que eles bebem tem o mesmo sabor que a sua.


Sempre Coca-Cola.

Também é comum quadros de personalidades famosas repetidas a exaustão. Aí possivelmente ele quer passar a idéia de que essas personalidades são conhecidas por todos, estão em todos os lugares (revistas, TV, Internet), e talvez elas estarem pintadas com varias cores diferentes num mesmo quadro mostre que elas não são necessariamente retratadas pela mídia da maneira que elas realmente são.


Tem também versão do Mao Tse Tung, Liza Minelli, Ingrid Bergman, etc.

Ou seja. são infinitas interpretações que podem ser dadas a seus quadros, o que demonstra que a pop art, embora parece uma arte fácil e rapidamente consumível, é bem mais complexa (e interessante) do que pode aparentar.

Eu sou a lenda

Não sei porque o pessoal (por pessoal, quero dizer o Anderson e meu amigo ricardo) chineleou esse filme.

Talvez eu tenha gostado só porque estava esperando um lixo, mas de qualquer forma eu gostei.

A primeira metade é uma espécie de Robinson Crusoé moderno. Ou invertido mesmo, porque não é o protagonista que vai pra longe da civilização, é a civilização que se manda pras cucuias. Essa parte do filme é bem interessante, não lembro de ter assistido nenhum assim.

A segunda parte não é tão legal quanto a primeira, mas também não é ruim. Na segunda metade, o filme se torna um Resident Evil, só que um pouquinho mais legal (não que isso seja um grande elogio). Os protagonistas (A sobrinha da Sônia Braga já apareceu nessa parte) são perseguidos por várias pessoas contaminadas com las plagas (ops, vírus Krippin).

Sam e will smith

O destaque são os cenários do filme (suponho que isso é o que chamam de fotografia). A Nova Iorque abandonada está muito bem feita, matagal por todos os lados. E a cidade toda vazia ficou estranhíssima (no bom sentido). Fico me perguntando como fizeram isso. Filmaram a cidade e depois tiraram as pessoas com efeitos especiais? Outro detalhe muito bem feito é a casa do personagem de Will Smith: toda decorada com quadros famosos. Pelo menos o que eu reconheci, noite estrelada (starry night) do Van Gogh é um quadro que está justamente exposto no MOMA (museu de arte moderna de Nova Iorque). Claro que sendo o último homem do mundo, naturalmente ele deve ter pego as obras famosas e colocado como decoração de seu lar.

Pra finalizar, é incrível como tem propaganda demasiada nos filmes do Will Smith. Em Eu,robô, é o tempo todo All Star. Nesse Eu sou a lenda, é a Apple aparecendo a todo o momento.

OBS: Bastante legal os trailers que passaram antes desse filme. O trailer do Homem de Ferro me animou bastante. Comecei a gostar do Tony Stark quando li a HQ do Homem Aranha saga Guerra Civil. Outro trailer que passou foi Batman, o cavaleiro das trevas. Nunca fui muito fã dos filmes do homem morcego, mas esse está prometendo. O coringa do falecido Heath Ledger parece fantástico.

Monet, Van Gogh e o Impressionismo

Nesse post sobre o surrealismo, defendo do início ao fim que paisagens em geral são um saco quando se trata de pintura. Disse também que o mais legal são obras criativas como as dos surrealistas. Mas ao final do post menciono que uma das minhas escolas artisticas favoritas é o impressionismo, no qual o objetivo é basicamente, retratar a natureza, ou seja, paisagens.

Pode parecer que me contradizo no fim, mas não é caso. O que eu gosto do impressionismo é que os artistas nao tentam recriar ao pé da letra a natureza. As obras não são reproduções fiéis. Em geral, são pinceladas grossas, que passam apenas uma idéia da paisagem. O que me agrada nessa escola não é o conteúdo, é esse traço que mesmo simples, às vezes quase estilizado, ainda assim forma um quadro belo.

Apesar do traço legal, os artistas dessa escola deviam sofrer de uma falta de criatividade tremenda. Sabe como eles pintavam? Eles escolhiam um lugar e começavam a pintar essa mesma paisagem sem parar, de diferentes ângulos, em diferentes momentos do dia (segundo eles para captar as nuances da natureza) . Fico com a impressão que eles escolhiam um lugar e começavam a pintar de tudo que é jeito para pelo menos um dos quadros ficar realmente bonito : PPP

Vejam por exemplo a abadia de Westminster. Foi pintada pelo Monet em pelo menos 3 quadros do mesmo ângulo, mudando apenas a iluminação.

A catedral de Rouen também foi retratada várias vezes pelo Monet. Pra quem não sabe, Rouen é a cidade da Madame Bovary (A.K.A o romance mais legal do mundo). Monet achava que aqueles vitrais eram ótimos para mostrar os diferentes efeitos da luz.


Os vitrais da catedral de Rouen


Os vitrais de novo !

Já li em alguns sites que Monet criou esse tipo de pintura porque não conseguia enxergar direito as bordas dos objetos. Não sei se é verdade essa teoria, mas acho que é mentira. Monet realmente ficou mal dos olhos na velhice. Mas ele não criou esse movimento no fim da vida, o que me faz crer que a teoria é falsa.

Quanto a palavra impressionismo, o nome do movimento não tem nada a ver com o tipo de quadro que os pintores dessa escola faziam, tampouco era porque os quadros impressionavam. O nome do movimento é impressionismo pois o primeiro quadro dessa escola se chama Impressão, Nascer do Sol. O termo era pra ser inicialmente pejorativo, mas o pessoal do impressionismo ao invés de se ofender, achou o máximo este nome. Tipo a torcida do Inter que os gremistas chamam de macacada e os colorados adotaram essa alcunha mesmo que intenção original fosse pejorativa, ou os palmeirenses que eram chamados de porco pelas torcidas rivais e agora até se chamam assim nos gritos de guerra dos estádios.


Impressionante ?

Finalizando, aqui vai minha obra favorita do movimento: Starry night, ou noite estrelada. É do Van Gogh, que por sinal, para não fugir das idéia do movimento, fez várias “starry nights”. Uma noite estrelada sobre o rio Reno, essa que estou mostrando, e outras ainda. Notem como esse quadro não tem intenção nenhuma de transmitir realidade. Para mim, parece um noite mágica … ou simplesmente uma pessoa que se drogou e foi olhar o céu : PPP


Brilha brilha estrelinha …

Pessoal que entende mais de arte, qualquer bobagem que eu tenha dito, por favor me corrijam : )