Cogumelos Pop

Nos últimos anos cogumelos tem ganhado uma reputação de serem muito saudáveis e seu consumo cada vez mais incentivado já que segundo pesquisas eles têm propriedades até mesmo contra o câncer. O primeiro cogumelo que todos entram em contato é sem dúvidas o Champignon, seu exemplar mais difundido na culinária brasileira e inserido em pratos que vão do strognoff a pizza. Outro que tem disputado o espaço do champignon é o shimeji, que tem ganho popularidade graças a difusão da culinária japonesa no Brasil.

Mas o fato é que a primeira vez que eu ouvi falar de cogumelos foi através de um desenho animado, um desenho do SBT do fim dos anos 80, início dos 90 chamado Nossa Turma, no original, Get Along Gang.

Era um desenho cujo personagem principal era um alce. Tinham outros animalzinhos também e todos viviam num trem. O desenho ficou realmente preso na minha mente graças a sua abertura com uma canção grudenta que nunca sofreu nenhuma adaptação para nossa língua portuguesa, era tocada em inglês mesmo. Lembro de canta-la num inglês estilo Sol do Big Brother quando era uma tenra criança.


Segundo esse video o nome do desenho era outro, mas no meu tempo era Nossa Turma, tenho certeza.

Voltando aos cogumelos, houve um episódio em que uma das menininhas ia num piquenique, comia um cogumelo selvagem e passava mal, super tenso. A lição do episódio era não coma cogumelos desconhecidos pois você pode morrer.

Lembro que não tinha entendido bem o episódio porque na minha cabeça nem existiam cogumelos selvagens, pelo menos nunca tinha visto cogumelos em bosques (não que eu tivesse ido a muitos), o certo é que se visse um, não comeria.

Mesmo eles parecendo tão bonitinhos na minha imaginação, como pequenos guarda-chuvinhas comestiveis.

Mas ao crescer percebi que cogumelos eram saborosos (não os selvagens!) e acabei virando fã de shimeji na manteiga e outras receitas com esses fungos mesmo que desincentivada por desenhos animados ou família (já que ninguém gosta). Entretanto é fato que cogumelos são criaturas que podem ser esteticamente bastante estranhas às vezes conforme essas fotos.

Alguns bem fálicos, mas isso não vem ao caso.

Mas esses são os cogumelos da culinária, o cogumelo também sempre esteve presente na cultura pop, como por exemplo no jogo Mario, com cogumelos vermelhos e verdes.

Além de serem úteis na culinária e nas jogadinhas de Mario, cogumelos são conhecidos pelos seus efeitos alucinógenos, esses eu não conheço, o fato é que poucos conhecem uma vez que são legais apenas na Holanda.

Não que a ilegalidade impeça as pessoas de os descobrir, mas nunca ouvi falar de tráfico de cogumelos.

Anúncios

O espinafre do mal

Lendo esse post do Puxa Cachorra (segundo post que linko esse blog, mereço um link lá bah tri) sobre as lendas que nossas mães contavam quando eramos crianças e acreditavamos porque nao tinha um Google pra conferir, lembrei de mais uma grande mentira contada não só por nossas mães, mas por toda a mídia. Uma mentira deslavada que nos aterrorizou por anos a fio, a mentira que

o espinafre te deixa forte

O pior é que havia um desenho animado muito popular para endossar a tese, o famoso Popeye e seu espinafre em lata que lhe permitia nocautear Brutus facilmente. Qualquer cara feia na hora de comer o espinafrezinho que sua mãe fazia era motivo para ela relembrar os benefícios que essa folha verde-escura trazia para o marinheiro Popeye.

Interesante é que se você quisesse fumar cachimbo dizendo que o Popeye fazia, sua mãe não deixava.

Continuando, embora eu odiasse espinafre na infância, acabei crescendo e me habituando ao seu gostinho. Em recente viagem aos Estados Unidos, consumia os sanduíches da rede de fast-food Subway frequentemente. O fato é que o Subway dos Estados Unidos tem algumas opções ainda não disponíveis no Brasil. Uma delas é a possibilidade de acrescentar abacate no seu sanduiche, a outra é a opção de folhas de espinafre.

Certa vez li que quanto mais escura for a folha do vegetal que você come, mais saudável ela é. Por exemplo, alface americana, aquela alface verde clarinho quase branco, é supostamente uma alface desprovida de vitaminas e minerais, algo que não me choca visto que é a alface número 1 das cadeias de fast-food como Mc Donald’s e Burger King. Mas divago.

Com essa informação em mente, decido dar uma chance para o espinafre no meu Subway no lugar da Alface. Para minha total surpresa o gosto é agrádavel e decido sempre utiliza-la.

Ao voltar ao Brasil, incluo o espinafre em minha alimentação. Com esse crescente aumento no consumo do espinafre, decido pesquisar na internet seus benéficios. Eis as descobertas:

Perigo Oculto no Espinafre.

Popeye e o mito do espinafre.

Aparentemente, existe uma substância no espinafre chamada de acido oxálico que se consumida em grandes quantidades faz mal.

Popeye, seu maldito marinheiro, querendo me matar com esse tal ácido.

PS: Se espinafre deixava forte como no desenho, por que o Brutus nunca comia?

Chá arco-íris da alegria

Eu comecei a gostar bastante de chá depois que eu voltei da Índia. Lá na empresa onde eu trabalhava, sempre vinha um mocinho nos dar chazinho ou café no meio do expediente. Eu era a única que pegava tanto o café quanto o chá. Tudo na mímica porque esses carinhas do chá na Índia (os Chai Wallah) são sempre bem pobrezinhos e não falam inglês. Por sinal, era a profissão do Jamal, carinha do filme Quem quer ser milionário (só que ele falava Inglês no filme).

O chá indiano que vendem nas ruas da Índia e que eu tomava era basicamente chá preto, água, um pouco de leite e muiiito açúcar. Muitoooo. Era bem gostoso. Algumas versões tem sementes de cardamomo dentro, uma espécie de pimenta bem gostosinha e que incrivelmente vai bem num chá doce. Algumas versões tinham canela e gengibre também, mas essas não são tão populares.


Copinhos de Chai

Lá dá Índia eu trouxe caixas e caixas de chá preto com o intuito de tomar chai (chai é o chá indiano) sempre que eu estivesse com saudade da minha vida indiana. A Índia é o maior produtor do mundo desse tipo de chá, e eu inclusive visitei lá uma plantação de chá, é bem bonito. Essa fica na cidade de Munnar. Fotinhos pra vocês:


A plantação se estendendo pelas montanhas


Eu numa vibe colheitadora

Embora eu ainda goste muito de chai, acabei acostumando com o sabor amargo do chá preto puro sem açúcar. E quase todo dia, lá vou eu ferver uma chaleira com água, colocar numa térmica, e ficar servindo na minha caneca com o saquinho de chá enquanto acesso Google Reader, escrevo posts e atualizo o Facebook : P

Como sou uma pessoa muito interessada na minha saúde, fui pesquisar se o tal do chá preto não continha malefícios científicos ocultos (cuidado com o espinafre, ele tem muitos, post sobre isso em breve). Minha pesquisa no Google demonstrou que não, o fato é que o negócio é extremamente bom para saúde, melhora a circulação e evita derrames, então fica a dica.

Eu acho engraçado o nome do chá preto ser preto já que a cor do chá pronto não é preta. Mas logo percebi que esse nome baseado em cores é meio sem sentido mesmo, já que na China o nome é chá vermelho. Vejam a classificação:

Todas as cores são feitas com fohas de Camellia sinensis.

1. Chá branco –> folhas jovens que não sofreram oxidação. Popular na China e o mais saudável.
2. Chá verde –> folhas que sofreram pouca oxidação. Popular no Japão.
3. Chá preto (ou vermelho) –> folhas que sofreram muita oxidação. Popular na Índia (e no Ocidente inteiro na real)

Ainda tem o Chá Oolong que é conhecido também por chá Azul. É um chá com uma maturação entre o Chá Verde e o Chá preto. Ooolong também é o nome de um personagem comunista de Dragon Ball, mas isso não vem ao caso.

E pra terminar o arco-íris de cores, tem o chá amarelo, que é um chá verde com uma fase de secagem diferente.

Isso que nem mencionei os chás que não tem cores no meio tipo chá de coca, de cogumelo, de camomila, etc…

O que me leva a pensar que chás são mais complicados que vinho.

Mc Donald’s na Índia que idolatra a vaca

Mc Donald’s pra mim é o supra sumo da Junkie Food. Puro sabor em questão de minutos, aquela entidade onipresente, com a segurança de que vai ter sempre sabor semelhante não importa aonde eu esteja sobre o globo terreste.

Mas havia uma questão que sempre me atormentou: será que o Mc Donald’s, lugar conhecido pelo Big Mac, ou seja hamburguers feitos de carne de gado, está presente num país como a Índia, em que mais da metade da população é vegetariana, e principalmente, a religião predominante é o Hinduísmo, aquela onde a vaca é considerado animal sagrado ?!

Resposta: Claro que sim, óbvio que a rede americana não ia perder a chance de estar num mercado com mais de 1,2 bilhão de pessoas.


Galera indo curtir um Mac

Mas como é o Mc Donald’s na India? Então, como a vaca é sagrada, não existe nenhum sanduíche feito com carne de gado. Isso quer dizer, não tem Big Mac. Isso mesmo companheiro, não tem o sanduíche símbolo da companhia. Tipo, nem adianta você cantarolar 2 hamburgueres, alface, queijo, molho especial, cebola e picles num pão com gergelim que você vai ser solenamente ignorado. Seguindo a mesma lógica, também não tem Quarteirão e nem Cheddar Mc Melt. Triste né? Justo os melhores sanduíches.


Mimosa, pode relaxar e pegar um sol na praia

Além disso, eles não tem nada feito de carne de porco. Você deve estar se perguntando porque já que porco é um animal permitido pelos hinduístas. Mas lembre-se que na Índia tem uma grandíssima quantidade muçulmanos, e porco não é permitido pra eles.

Claro que poderia ter sanduíches (iches) feitos de carne de gado, não existe nenhuma proibição quanto a isso, tanto que por exemplo, nas grandes cidades não é difícil achar uma Steakhouse. Como já mencionei, não é todo mundo que é hinduísta na Índia, mas eu imagino que os gerentes do Mc Donald’s tenham alterado o cardápio pra gerar aquela simpatia do povo. Imagina um hinduísta levando os filhos (e como indiano gosta de ter filho) pra comer um Mc Lanche Feliz num lugar onde comem o ser sagrado deles! Se tá difícil imaginar, vamos fazer uma analogia. Imaginem que o Mc Donald’s tenha, além dos hamburgueres normais, um sanduíche feito de carne de cachorro. Ok, eu não me importaria (não comeria mas também não deixaria de ir saborear um Big Mac tradicional), mas muita gente no Brasil com certeza boicotaria o lugar.

Além disso, os lanches vegetarianos são feitos em uma parte da cozinha diferente dos lanches non-veg. Pra você pode parecer bobagem essa separação, mas na real faz todo o sentido. Fazendo outra analogia, suponham que no Mc eles tivessem sei lá, um sanduíche feito de carne de minhoca. Você comeria o seu Mc Chicken sabendo que a carne de minhoca foi preparada na mesma cozinha que o frango que você está saborendo?

Tantos mimos e cuidados por parte do Mc Donald’s para com o consumidor indiano, como era de se esperar, funcionou muito bem já que as lanchonetes estão sempre movimentadissímas, e não é só de turista, é de locais ! É um barato ir no Mc aqui, tem mulher de véu, mulher de sari, criança, homens com aqueles bigodão indiano, de turbante, gente com roupa ocidental, jovens indianos moderninhos, etc. Um caldeirão de culturas em poucos metros quadrados !


O palhaço todo contente que abocanhou o segundo maior mercado consumidor do mundo

Mesmo não tendo os melhores sanduíches, pelo menos tem Mc Chicken (pobre das galinhas, essa nenhuma religião protege), cujo o gosto é igualzinho ao do Brasil, tem também Mc Fish (esses coitados do mar também ninguém protege), Mc Veggie (sanduiche feito de carne de soja) e Mc Nuggets. Além disso tem sanduíches que só existem na Índia, feito especialmente pra agradar o paladar local, ou seja, apimentados !!!


Não preciso entender o que está escrito, basta os arcos amarelos

Vou falar de alguns. O mais conhecido é o Mc Maharaja. É nada menos do que um Big Mac só que com galinha ao invés de carne, e claro, não podia faltar, pimenta. Esse eu comi só uma vez e não curti. Outro é o Mc Aloo Tikki. Esse tem tipo um bife dentro, mas feito de acreditem, batata. Também é apimentado mas esse eu adoro ! Vinte e cinco rúpias (1 real) e muito bom. Vou sentir saudades desse quando sair da Índia. Quanto as sobremesas, tem o sundae (mas sem as castanhas), tem a casquinha, mas não tem tortinha, nem de maçã nem de banana. Em vez disso tem uma tortinha sabor pizza (apimentada,claro).


O favorito do Raj de The big bang theory

Mas claro, no começo é meio estranho comer essas Mc ofertas apimentadas porque sei lá, na minha cabeça Mc Donald’s não combina com pimenta, mas depois de um certo tempo acaba fazendo todo o sentido.

Resumindo, a Índia é um país tão louco que até um lugar que era pra ser padronizado em todo o mundo como o Mc Donalds consegue ser diferente ! : )

Crítica gastronômica: Balas de gelatina

Uma coisa que eu não faço faz tempo são minhas críticas culinárias (por críticas culinárias, entenda-se comprar um pacote de alguma porcaria industrializada no mercado e dissertar a respeito), então vou retoma-las.

Hoje o tema serão balas de gelatina. Veja bem, não são balas de goma, essas sim são asquerosas, me refiro as balas de gelatina daquelas que você encontra em lojas lindas de balas que tem nos shoppings, sonho de consumo de toda criança, tipo Sweet Sweet Way. Como não se encantar com essas lojinhas cheias de guloseimas das mais variadas cores … mas divago, estava falando que adoro balinhas de gelatina, às vezes até substituo a pipoca do cinema por elas (às vezes também compro os dois …). O problema é que essas lojas de balinhas que vendem por peso cobram preços abusivos e impraticaveis. A solução são as balas Fini, de sabor igual e vendidas em supermercados a preços populares, variando de 2,50 a 5 reais o saquinho. Esse post é dedicado a falar de algumas delas que já provei.

1. Dentaduras: O formato é bizarro mas são muito saborosas, adoro. Na primeira vez que tu comprar é inevitável, você vai fazer aquela brincadeira boba de botar a bala na boca e fingir que são seus dentes, mas não se preocupe, logo a brincadeira perde graça (pelo menos é o esperado). Lançaram também uma versão com dentes coloridos, mas acho que desvirtua né, não é legal, dente é branco. E pra quem tá na vampiromania e gosta da saga Eclipse, não esqueça de comprar o seu quando for assistir ao filme Lua Nova : P

2. Princesas: O legal delas é que só tem sabor bom (framboesa, morango, maçã, frutas vermelhas). O problema é que se você é homem pode soar meio gay comer essas balinhas, mas vale a pena, muito saborosas mesmo.

3. Carros: Essa é supostamente a solução se você não quer comer a bala das princesas, mas acredite, não vale a pena, tem uns carrinhos pretos com um sabor muito ruim, e no último pacote que eu comprei, veio só uma bala vermelha, apenas uma e duzentas milhões de pretas e amarelas! E vocês sabem, a bala vermelha é sempre a mais gostosa, fora que te leva pra caminhos nunca vistos antes.

4. Wall-e: Nesse vem umas balas em formato de cubinhos. A idéia é fazer um cubo mágico com elas e se divertir, mas como você já é crescido e não vai brincar, vamos avaliar só pelo fator sabor: os cubinhos de gelatina são pequenos demais e tem que comer vários ao mesmo tempo, misturando os sabores, o que eu não gosto. Não recomendo.

5. Caveiras: Igual as dentaduras mas com formato de crânio. Legal pra dar aquela variada e brincar de pirata Alma Negra, afinal, todos somos piratas, sagazes e temerários, livres e sanguinários, somos os donos do mar, hey …


São balinhas muito gostosas, mas cuidado !!! Todos nós já aprendemos que caveiras significam perigo, ouviram bem? PE-RI-GO!

6. Ratatouille: Vem um monte de tortinhas de vários sabores, a solução ideal pra bala das princesas, já que é tão gostosa quanto e ainda é mais unissex. Além do mais, tem toda a diversão de pensar que foi o ratinho que fez manipulando as mãos de alguém através dos cabelos (sério, adoro o filme, aceito na boa ratos falantes, mas nunca consegui aceitar bem essa parte de manipular pessoas pelos cabelos).

Por fim, outra bala que eu adoro é aquelas pimentinhas cítricas que tem só nesses Sweet Sweet Ways da vida, nunca vi pra vender nos mercados. Se a Fini ler esse post, que ponha a venda já, adoro sabores azedinhos-doces.

Carmen Sandiego, Wally e comida mexicana

Eu sempre fui fã de geografia. Quer dizer, sempre me interessou saber as capitais dos países, onde eles estão localizados, as bandeiras, a sua cultura, etc. Uma vez dada essa informação, quando eu era criança eu também passava horas jogando Mega Drive. E foi por isso que quando lançaram Where in the world is Carmen Sandiego para essa plataforma todo traduzido para o português, parecia que tinham lançado esse jogo pensando em mim.


O jogo da Carmen Sandiego

Nele, você é uma espécie de detetive e tem que perseguir os comparsas da Carmen Sandiego pelo mundo, até que no final você prende ela. O problema é que a ladra se esconde muito bem. Dizem que o objetivo principal dela era encontrar o Wally para dar a luz a um filho impossível de encontrar.


Como encontrar o filho deles?

Mas ela mal sabia que Wally, mesmo com essa carinha de bobinho que perde suas coisas por todo lugar, já tinha uma namorada, a Wilma.


Uma das primeiras indies do mundo.

E ela tinha uma irmã gêmea, a Wenda.


Wenda.

Por sinal, vocês não acham que a Carmen Sandiego, como vilã, não combinaria muito mais com Odlaw, arquiinimigo do Wally ?


Odlaw

Odlaw é Waldo ao contrário. Waldo é o nome do Wally nos Estados Unidos e Canadá (Wally foi criado por um britânico e por algum motivo bizarro sua obra foi rebatizada na América do Norte). Desculpa se tem algum Waldo que assina o feed desse blog, mas por favor, que nome horrível, deviam ter deixado Wally.

Mas voltando ao jogo da Carmen Sandiego, A moral dele era ficar perguntando pra galera da cidade onde tava os larápios e receber pistas sobre quem era o bandido e pra onde ele tinha ido. E as pistas eram justamente cores da bandeira do lugar, a moeda, a capital, a comida típica, etc. Só que você tinha que com o minímo de pistas possíveis desvendar onde o infrator tinha ido, pegar um avião e segui-lo. Mas era pouco tempo disponível, logo se você ficasse perguntando muito ou errasse a localização do gatuno várias vezes, o crime vencia. E era assim o jogo inteiro. Cada vez que você capturava um número x de bandidos, era elevado de cargo.

De fato era meio repetitivo, mas mesmo assim joguei feito louca, porque queria muito encontrar a Carmen. O problema é que minha nossa senhora, existiam 10 zilhões de cargos e por isso eu nunca virei o jogo. Ou seja, nunca pude botar Carmen Sandiego atrás das grades.


Mari, não te preocupa, eu também nunca encontrei a Carmen Sandiego.


Mari e meu caro Watson, deixe-me contar um segredo que pode ferir minha reputação mas eu nunca encontrei Carmen Sandiego em toda minha vida também.

Obrigada amigos, vocês fazem eu me sentir melhor !!!

Pelo menos eu muito aprendi com esse game. Por exemplo, uma das pistas era o esporte favorito do meliante. E muitas vezes esse esporte era o Cricket, esporte que até então eu nunca tinha ouvido falar. Mas como os foras-da-lei que gostavam sempre iam pra Índia, deduzi fantasticamente que era o esporte número um desse país. Além disso, outra pista era o prato favorito. Muitas vezes o prato era Tacos. Novamente, jogando muito o game descobri ser uma comida do México.

A questão é, eu achava engraçado uma comida ter esse nome. Tacos não é nome de comida. Tacos pra mim é o plural de um esporte de rua também conhecido como bete.

Eu queria na época saber mais sobre esse prato por causa do nome engraçado, mas tipo, não tinha como desvendar esse mistério. Não existia Internet, ou seja, não tinha nem uma wikipedia pra resolver ! E nem adiantava recorrer a uma livraria pra procurar porque naquela época não tinha essa coisa de ir na livraria Cultura/FNAC da vida, pegar o livrinho na maior, ler ele inteiro de graça e devolver. Não, não. Tinha um balcão chatíssimo entre você e os livros, e eles só eram acessíveis através de um atendente que sempre tinha cara de poucos amigo e não te deixava folhear muito o livro. O jeito foi viver com a dúvida.


É, eu também aprendi a viver com dúvida.


Pois eu também meu caro leitor.

Depois que a Internet e modernidade chegaram em minha vida eu finalmente descobri como era a tal comida. Ah, você também não conhece essa iguaria mexicana né? Só conhece tequila seu bêbado. Então eu te apresento:

Tacos

Não que pareça super apetitoso, mas deu vontade de provar né. E depois de anos e anos finalmente tive a oportunidade: semana passada enfim fui com uma galera a um restaurante mexicano, o Pueblo.

Restaurante bonito e tal, começamos por Nachos. Nachos nada mais é do um Doritos mais fininho saído do forno em geral com queijo por cima. Para acompanhar, guacamole, um molho feito de abacate. Depois era a vez do prato principal, o prato misterioso do jogo da Carmen Sandiego. Depois de alguns minutos de ansiosa espera o garçom chega com o pedido.

O que dizer depois de anos de expectativas? Na real não passa de uma quase panqueca mas é bem saboroso. E agora chega de papo que vou baixar a rom do jogo e me divertir no PSP ; )

Pode não ter bola quadrada mas pelo menos tem ovo de páscoa quadrado

Cada páscoa tem uma ou mais novidades em se tratando de ovos de Páscoa. Na Páscoa passada foram várias. Pra começar, o ovo da MTV, um ovo cuja surpresa ao invés de um brinquedo, era o download de uma música. Bizarro né ? Também tinha o ovo Fórmula 1, porque aparentemente Fórmula 1 tem tudo a ver com páscoa, e por fim, a novidade mais legal, da Nestlê que era um ovo que dentro tinha sorvete !

Mas nessa páscoa a novidade é um ovo que certamente o Quico iria querer ganhar do professor Girafales: um ovo quadrado (se bem que chamar de ovo algo quadrado não seria uma contradição?)!

Lançamento da Garoto, que faz uns chocolates bem gostosos, ao contrário da Neugebauer por exemplo

E não, isso não é piada de primeiro de Abril porque eu não suporto esse tipo de brincadeirinha.