Chá arco-íris da alegria

Eu comecei a gostar bastante de chá depois que eu voltei da Índia. Lá na empresa onde eu trabalhava, sempre vinha um mocinho nos dar chazinho ou café no meio do expediente. Eu era a única que pegava tanto o café quanto o chá. Tudo na mímica porque esses carinhas do chá na Índia (os Chai Wallah) são sempre bem pobrezinhos e não falam inglês. Por sinal, era a profissão do Jamal, carinha do filme Quem quer ser milionário (só que ele falava Inglês no filme).

O chá indiano que vendem nas ruas da Índia e que eu tomava era basicamente chá preto, água, um pouco de leite e muiiito açúcar. Muitoooo. Era bem gostoso. Algumas versões tem sementes de cardamomo dentro, uma espécie de pimenta bem gostosinha e que incrivelmente vai bem num chá doce. Algumas versões tinham canela e gengibre também, mas essas não são tão populares.


Copinhos de Chai

Lá dá Índia eu trouxe caixas e caixas de chá preto com o intuito de tomar chai (chai é o chá indiano) sempre que eu estivesse com saudade da minha vida indiana. A Índia é o maior produtor do mundo desse tipo de chá, e eu inclusive visitei lá uma plantação de chá, é bem bonito. Essa fica na cidade de Munnar. Fotinhos pra vocês:


A plantação se estendendo pelas montanhas


Eu numa vibe colheitadora

Embora eu ainda goste muito de chai, acabei acostumando com o sabor amargo do chá preto puro sem açúcar. E quase todo dia, lá vou eu ferver uma chaleira com água, colocar numa térmica, e ficar servindo na minha caneca com o saquinho de chá enquanto acesso Google Reader, escrevo posts e atualizo o Facebook : P

Como sou uma pessoa muito interessada na minha saúde, fui pesquisar se o tal do chá preto não continha malefícios científicos ocultos (cuidado com o espinafre, ele tem muitos, post sobre isso em breve). Minha pesquisa no Google demonstrou que não, o fato é que o negócio é extremamente bom para saúde, melhora a circulação e evita derrames, então fica a dica.

Eu acho engraçado o nome do chá preto ser preto já que a cor do chá pronto não é preta. Mas logo percebi que esse nome baseado em cores é meio sem sentido mesmo, já que na China o nome é chá vermelho. Vejam a classificação:

Todas as cores são feitas com fohas de Camellia sinensis.

1. Chá branco –> folhas jovens que não sofreram oxidação. Popular na China e o mais saudável.
2. Chá verde –> folhas que sofreram pouca oxidação. Popular no Japão.
3. Chá preto (ou vermelho) –> folhas que sofreram muita oxidação. Popular na Índia (e no Ocidente inteiro na real)

Ainda tem o Chá Oolong que é conhecido também por chá Azul. É um chá com uma maturação entre o Chá Verde e o Chá preto. Ooolong também é o nome de um personagem comunista de Dragon Ball, mas isso não vem ao caso.

E pra terminar o arco-íris de cores, tem o chá amarelo, que é um chá verde com uma fase de secagem diferente.

Isso que nem mencionei os chás que não tem cores no meio tipo chá de coca, de cogumelo, de camomila, etc…

O que me leva a pensar que chás são mais complicados que vinho.

Anúncios

Momento sorte no jogo no Uruguai

Além de ter curtido meus 15 minutos de fama que todo mortal terá de acordo com Andy Warhol com meu momento superstar internacional no Uruguai, mais coisas inesperadas aconteceram nessa emocionante viagem. Dessa vez num cassino.

Como já falei em outros posts, apostas só são divertidas em cassinos dos jogo Vegas Stakes, Sonic 2 ou bingos de praia. Mesmo assim, decidi dar aquela jogadinha básica no cassino, só pra dar aquela saciada no pequeno vício em jogatina que eu tenho.

Chegando lá, comprei 20 pesos uruguaios para apostar, o que corresponde a algo como 2 reais.

A ideia original era jogar nos caça-niqueis, mas como nenhum deles era aqueles old-school, com a maçaneta, resolvi aposta na roleta mesmo.

O problema é que a roleta era eletrônica, isto é, tinha que usar um computadorzinho para apostar nos números. E bem, eu não estava me entendendo muito bem com o computador. Estava eu tentando apostar, quando meio que sem querer apostei no número 5.

Puta da cara que não conseguia mudar, já xingando o computador de todos os nomes que eu podia pensar, a roleta gira.

Rola roleta !!!

Enquanto a roleta rola, essa música começa a tocar em meus pensamentos:

Bom, como a vida as vezes é um filmes, adivinhem o número que saiu? Três ? Sete ? Oito ?

Se fosse qualquer um desses esse post não existiria.

Óbvio que saiu o número 5, contrariando todas as expectativas.

Sério, eu fiquei tão pasma que não acreditei que aquilo era possível. Pensei com meus botões: quais são as probabilidades de isso acontecer ? É impossível !!!

Intervenção !!!

De acordo com o matemático Oswald de Souza, as probabilidades são de 1/38 dado que temos 36 números, mais o 0 e o 00. Portanto, não é impossível, embora um pouco improvável.

Fim da intervenção.

Meu prêmio foi de nada menos do que 720 pesos uruguaios, isto é, 36 vezes o valor apostado. Graças ao prêmio, recebi 720 pesos, em outras palavras, 72 reais.

Como eu sabia que nada podia ser mais épico do que acertar o número de primeira, decidi sabiamente parar de jogar.

Na realidade eu também tinha decidido parar de jogar porque eu não sabia mexer direito no computador da roleta, e estava com medo de sem querer apostar 720 pesos em outro número aleatório qualquer. Mas o primeiro motivo tá mais legal, então vamos se ater a ele.

E fica a pergunta, sorte no jogo, azar no amor?

Momento superstar internacional vivenciado por mim no Uruguai

Em Março eu participei de uma excursão para o Uruguai. A viagem foi super legal, conheci várias cidades (Montevideo, Punta del Este, Piriapolis, Colônia del Sacramento) e ainda por cima não gastei muito, já que foi de ônibus e fiquei em albergue lá (quem quiser ir também, vá pelas excursões universitárias, recomendo muito).


Casa Pueblo, museu de Punta del Este


Monumento ao General Artigas, em Montevideo

A questão é que até eu decidir e ir nessa excursão, muitos percalços foram vencidos, desde o desafio de conseguir folga do trabalho até falta de vagas na excursão. Mas o mais desafiador foi o fato de que, apesar da minha grande vontade de viajar, meus amigos todos não se intere$$aram o suficiente. Ai numa vibe Avril Lavigne, pensei, What the Hell, vou sozinha mesmo, na pior das hipóteses vou ter 4 dias de pura solidão no estrangeiro : P

Mas felizmente, logo no início da excursão fiz amizade com 2 pessoas que tavam viajando sozinhas também, o Roberto e a Angela, e não fiquei sozinha nem um segundo. Às vezes vale a pena arriscar.

O engraçado foi que numa das paradas da excursão, vivenciei meu primeiro momento superstar, em terras além dos limites de nossa pátria amada Brasil. Estava eu em uma casa de câmbio tentando trocar reais por pesos uruguaios, logo no primeiro dia de excursão, quando uma pessoa me aborda, em português:

Pessoa desconhecida: Oi. Tu por acaso é a Mariane, do bitpop.info?
Eu com cara de incrédula: Sim, como tu sabe?
Pessoa desconhecida: É que eu sempre leio teu blog, apesar de não comentar muito.

Foi o que bastou para que a Angela e o Roberto achassem que eu fosse dona de um blog que recebia milhões de visitas diárias : P

Só não foi mais glamour porque isso aconteceu na praia de Piriapolis e não em Punta del Este.

Ah sim, a pessoa desconhecida era o Jezer, leitor super querido do blog : )

Vacas, bois, bezerros e vaquinhas da Cultura Pop

A sensação do momento agora em Porto Alegre é a Cow Parade, sabem né, a exposição da vaca. Se eu não me engano, 50 artistas pintam 50 vaquinhas e depois alguém espalha elas pela cidade por um certo tempo. A graça é passar pelos lugares e admirar as prosaicas vacas, dos mais variados tipos e cores. A exposição já passou por Nova Iorque, São Paulo e várias outras cidades, provando que as vacas estão definitivamente em alta, seja estando aí pelas ruas, seja como nomes de blog

Não sei quem que inventou a Cow Parade, só sei que essa pessoa deve ter se baseado na Índia.

Para os fiéis leitores desse blog, que acompanham minhas estripulias por aí, não é novidade, mas para os eventuais novos leitores, eu estive no ínicio desse ano na Índia num intercâmbio. Foi a minha oportunidade de ver ao vivo e a cores o único país do mundo que não apenas tem uma exposição permanente de Cow Parade, mas cujo a Cow Parade é a única que todas as vacas são vivinhas da silva. Ok, não é exatamente uma Cow Parade, mas tem vacas pela rua né, será que não dá pra considerar?


Essa mimosa machucadinha tava comendo a decoração de um carro

Alguns diriam que não, pq as vaquinhas da Índia não são pintadas, não existe arte no corpo daquelas vacas que pastam alegremente pelas ruas de Mumbai, Nova Delhi e Bangalore, mas vocês estão enganados, existem vaquinhas decoradissímas por lá. Um exemplo é esssa vaca amarela que flagrei num momento totalmente paparazzi.


Vaca amarela

Já essa vaca era tão legal, tão querida, que decidi tirar uma foto com ela, e vocês sabem, foto é o autógrafo do século XXI.


A vaca e Eu

E essa minha gente, que tava pegando uma cor faceira na praia? Coisas da Índia.


E o protetor solar?

Vacas indianas a parte, nem sempre as vacas estiveram assim, na moda, com direito a Cow Parade e tudo mais. A última vez que as vacas foram lembradas, pobre delas, nem foi por um bom motivo, foi na época do tal do mal da vaca louca, onde esses animalzinhos que nos alimentam com seu leite e carne foram alvo de uma terrível doença. Mas dessa vez, é Cow Parade, coisa boa e tal. Mas pensando bem, vacas são animais injustiçado: Quantos cachorros famosos você consegue lembrar de cabeça? Benji? Lassie? Beethoven, o magnífico? E muitos outros, certo? Agora, pense em quantas vacas famosas você consegue lembrar.

Tempo. Tic Tac Tic Tac Tic Tac Tic Tac Tic Tac.

Behhhhh. Tempo Esgotado.

No meu caso, depois de muito pensar, a única a vaca que me veio a cabeça foi a Vaca da Vaca e o Frango. Vejam só, como esses seres são pouco lembrados pela nossa amada cultura pop. E em filmes, a única que me vem a cabeça é aquela que o Tiranossauro Rex come em Jurassic Park. Onde afinal estão as vacas famosas do mundo?

Os bois também valem.

Mu

Mc Donald’s na Índia que idolatra a vaca

Mc Donald’s pra mim é o supra sumo da Junkie Food. Puro sabor em questão de minutos, aquela entidade onipresente, com a segurança de que vai ter sempre sabor semelhante não importa aonde eu esteja sobre o globo terreste.

Mas havia uma questão que sempre me atormentou: será que o Mc Donald’s, lugar conhecido pelo Big Mac, ou seja hamburguers feitos de carne de gado, está presente num país como a Índia, em que mais da metade da população é vegetariana, e principalmente, a religião predominante é o Hinduísmo, aquela onde a vaca é considerado animal sagrado ?!

Resposta: Claro que sim, óbvio que a rede americana não ia perder a chance de estar num mercado com mais de 1,2 bilhão de pessoas.


Galera indo curtir um Mac

Mas como é o Mc Donald’s na India? Então, como a vaca é sagrada, não existe nenhum sanduíche feito com carne de gado. Isso quer dizer, não tem Big Mac. Isso mesmo companheiro, não tem o sanduíche símbolo da companhia. Tipo, nem adianta você cantarolar 2 hamburgueres, alface, queijo, molho especial, cebola e picles num pão com gergelim que você vai ser solenamente ignorado. Seguindo a mesma lógica, também não tem Quarteirão e nem Cheddar Mc Melt. Triste né? Justo os melhores sanduíches.


Mimosa, pode relaxar e pegar um sol na praia

Além disso, eles não tem nada feito de carne de porco. Você deve estar se perguntando porque já que porco é um animal permitido pelos hinduístas. Mas lembre-se que na Índia tem uma grandíssima quantidade muçulmanos, e porco não é permitido pra eles.

Claro que poderia ter sanduíches (iches) feitos de carne de gado, não existe nenhuma proibição quanto a isso, tanto que por exemplo, nas grandes cidades não é difícil achar uma Steakhouse. Como já mencionei, não é todo mundo que é hinduísta na Índia, mas eu imagino que os gerentes do Mc Donald’s tenham alterado o cardápio pra gerar aquela simpatia do povo. Imagina um hinduísta levando os filhos (e como indiano gosta de ter filho) pra comer um Mc Lanche Feliz num lugar onde comem o ser sagrado deles! Se tá difícil imaginar, vamos fazer uma analogia. Imaginem que o Mc Donald’s tenha, além dos hamburgueres normais, um sanduíche feito de carne de cachorro. Ok, eu não me importaria (não comeria mas também não deixaria de ir saborear um Big Mac tradicional), mas muita gente no Brasil com certeza boicotaria o lugar.

Além disso, os lanches vegetarianos são feitos em uma parte da cozinha diferente dos lanches non-veg. Pra você pode parecer bobagem essa separação, mas na real faz todo o sentido. Fazendo outra analogia, suponham que no Mc eles tivessem sei lá, um sanduíche feito de carne de minhoca. Você comeria o seu Mc Chicken sabendo que a carne de minhoca foi preparada na mesma cozinha que o frango que você está saborendo?

Tantos mimos e cuidados por parte do Mc Donald’s para com o consumidor indiano, como era de se esperar, funcionou muito bem já que as lanchonetes estão sempre movimentadissímas, e não é só de turista, é de locais ! É um barato ir no Mc aqui, tem mulher de véu, mulher de sari, criança, homens com aqueles bigodão indiano, de turbante, gente com roupa ocidental, jovens indianos moderninhos, etc. Um caldeirão de culturas em poucos metros quadrados !


O palhaço todo contente que abocanhou o segundo maior mercado consumidor do mundo

Mesmo não tendo os melhores sanduíches, pelo menos tem Mc Chicken (pobre das galinhas, essa nenhuma religião protege), cujo o gosto é igualzinho ao do Brasil, tem também Mc Fish (esses coitados do mar também ninguém protege), Mc Veggie (sanduiche feito de carne de soja) e Mc Nuggets. Além disso tem sanduíches que só existem na Índia, feito especialmente pra agradar o paladar local, ou seja, apimentados !!!


Não preciso entender o que está escrito, basta os arcos amarelos

Vou falar de alguns. O mais conhecido é o Mc Maharaja. É nada menos do que um Big Mac só que com galinha ao invés de carne, e claro, não podia faltar, pimenta. Esse eu comi só uma vez e não curti. Outro é o Mc Aloo Tikki. Esse tem tipo um bife dentro, mas feito de acreditem, batata. Também é apimentado mas esse eu adoro ! Vinte e cinco rúpias (1 real) e muito bom. Vou sentir saudades desse quando sair da Índia. Quanto as sobremesas, tem o sundae (mas sem as castanhas), tem a casquinha, mas não tem tortinha, nem de maçã nem de banana. Em vez disso tem uma tortinha sabor pizza (apimentada,claro).


O favorito do Raj de The big bang theory

Mas claro, no começo é meio estranho comer essas Mc ofertas apimentadas porque sei lá, na minha cabeça Mc Donald’s não combina com pimenta, mas depois de um certo tempo acaba fazendo todo o sentido.

Resumindo, a Índia é um país tão louco que até um lugar que era pra ser padronizado em todo o mundo como o Mc Donalds consegue ser diferente ! : )

Danceterias e festas na Índia

Quando eu estava no Brasil umas das minhas preocupações era se as festas na Índia seriam boas ou ruins (aquelas tri fúteis : P). Eu tinha ouvido falar que em muitas cidades simplesmente não havia vida noturna. Bom, nas cidades pequenas e médias não tem mesmo, e mesmo em algumas grandes como Ahmedabad, tem até uma lei que só estrangeiros podem comprar bebida alcólica. Entretanto, felizmente, eu estou numa das maiores cidades indianas, Bangalore, cidade cosmopolita com população ao redor dos 10 milhões de habitantes (e crescendo porque a migração de indianos de outras cidades aqui é grande, especialmente programadores). E graças a essa migração, é uma cidade com uma grande população jovem ávida a gastar suas preciosas rúpias com bebida e diversão. Por causa disso, existe uma vasta opção de danceterias e pubs, tão vasta que um dos muitos apelidos de Bangalore é ‘pub city’.

Mas nem tudo são flores, apesar de aqui bebida ser livremente vendida, em 2003 (se não me engano) foi instaurada uma lei em Bangalore que proibe bares e danceterias de ficarem abertos após 23:30. Ou seja, 23:30, a música para e todo mundo é mandado pra fora da danceteria! Essa lei é bastante impopular entre os jovens, todo indiano que eu pergunto diz que odeia a tal lei, mas parece que a população mais velha e conservadora curte e tal e como eles tão no poder, parece que isso ainda vai demorar pra mudar. Mumbai por exemplo, não tem essa restrição e por causa disso parece que a vida noturna lá é bem melhor.


Onde está Wally?

Entretanto, o fato das festas acabarem 23:30 não é de todo ruim como pode parecer. Primeiro porque como elas acabam cedo, dá pra ir em festa até no meio da semana, mesmo que você trabalhe no dia seguinte de manhã cedo. Segundo motivo é porque elas começam mais cedo, tipo 20 horas, então a festa acaba não sendo tão curta.

Mas e se é fim de semana e você quer muito ficar até as 5 da manhã farreando? O que fazer? O que os indianos (classe média alta e ricos) fazem é ir numa danceteria até as 23:30 como aquecimento e depois ir pra casa de alguém que tenha salão de festas e continuar a festa lá. Tipo, é meio que o contrário do Brasil, onde em geral as pessoas se reúnem na casa de alguém pra beber e depois vão na festa. Mas como já foi provado na matemática, a ordem dos fatores não altera o resultado : P

Vale dizer que indianos bebem tanto quanto ocidentais e que se encontra festas com todo tipo de música: desde festas só com Bollywood music até festas com hip hop, eletrônica, rock ,etc. Outro ponto interessante é que nas festas em geral tem mais homem que mulher, mas nada muito absurdamente desequilibrado (pelo menos nas festas que eu fui, mas já ouvi falar de festa que tem 90% homens). E inclusive pra incentivar a ida de mulheres, vários lugares fazem ladies night no meio da semana, onde além de não pagar entrada, os drinks são de graça !!! Tipo, eu não sou muito de festa, mas não tem como deixar de ir numa em que tudo é de graça né ? : P


E eu achando que não podia mostrar os ombros na Índia …

Quanto as roupas, o pessoal pode até ser conservador nas ruas quanto a vestimenta, mas nas festas seguido eu vi vestidos curtos, minissaias e danças bem ousadas por parte das indianas.

Uma dúvida que eu tinha antes de vir é se os indianos ficavam nas festas. Bom, na rua é simplesmente impossível ver casal de namorados se beijando. Por sinal, a maior parte dos casais sequer andam de mãos dadas (mas o mais ousados e moderninhos em grandes cidades como Bangalore andam). O que se vê muito mais na real são homens de mãos dadas ou ainda andando abraçados (mas eles não são gays, é amizade).

Entretanto, embora na rua não se veja, não é impossível ver algum casal indiano se beijando numa festa, especialmente quando é festa privada em salão de festas e não danceteria. Mas é beeeem raro mesmo. Por fim, vale destacar que o pessoal fuma muito nas festas.

Chegada na índia

Então, cheguei na Índia na quarta feira as 5 da manhã, horário local, depois de quase 2 dias atravessando o mundo. No voo de Londres pra Bangalore eu conheci um brasileiro que também ia a trabalho, mas só ia ficar uma semana na Índia. Também fiz amizade com o indiano que sentou do meu lado no avião, o Shiva. Ele trabalha nos Estados Unidos e tava indo pra Bangalore por 15 dias pra visitar a família. O voo tava bom e nem demorou muito pra passar. Por sinal, adivinhem o que serviram de janta e café da manhã no avião ? comida indiana! Era apimentadinha mas bem gostosa, não era nada exagerado que não desse pra comer.

Na chegada passei pela imigração sem problemas e peguei umas rúpias. Meu maior medo é que extraviassem minha mala, mas felizmente, ela veio !!! Viva a British Airways !!! Quando ela apareceu na esteira foi um alívio imenso, até porque eu já tinha ouvido falar de muita gente que perde a bagagem nessas viagens longas.

Bom, segundo a AIESEC, quando chegasse eu deveria telefonar pra avisar que tinha chegado, e depois pegar um ônibus chamado route 6 cuja tarifa era menos de 200 rúpias ou um taxi que era 1000 rúpias até um hotel chamado Leela Palace. Lá alguém da AIESEC estaria me esperando pra me levar pra minha nova casa. Como eu sou mão de vaca e amo aventuras, optei pelo ônibus. Pedi pro motorista me avisar quando fosse a parada e foi bem tranquilo. No ônibus tocava umas músicas indianas meio chatas no rádio, mas foi bom pra entrar no clima. Bom, o primeiro choque foi o trânsito, ele é tão louco, mas tão louco, que merece um post próprio. Mas imagine que todo mundo dirigisse pior que os motoboys mais apressados, é mais ou menos isso pra pior. O segundo foi ver que tipo, mais da metade das mulheres da rua usam Sari, a roupa típicahe ! Tão lindas.

Outro mito desmitificado foi o cheiro. Tinham me falado que a Índia fedia, que tinha cheiro de curry/incenso/suor/merda, etc, mas nem tem nada, a menos é claro, que tu passe na frente de um restaurante/loja_de_incensos/pessoa_suada/merda.

Chegando no ponto de encontro, o Leela Palace, um hotel que se autodenomina 7 estrelas, o Shravan, um dos AIESECers, me buscou e me levou pra minha nova casa, que me impressionou pela qualidade, especialmente porque eu tinha ouvido falar de alguns trainees da AIESEC que ficavam numas casas horríveis, perto de favela e tal. Mas essa não, ela é toda bonita, tem TV, internet, piscina, livros, pracinha, quadra de esportes, etc. É tipo um condominio de classe média alta. A gente tem até uma empregada indiana que limpa o chão aqui uma vez por semana. Masss, como nem tudo são flores, a galera aqui não cuida muito da cozinha e eventualmente tem barata. E umas moscas chatas que me obrigam a usar repelente toda hora.

Bom, logo na chegada conheci todo mundo que mora aqui, e é muita gente, mesmo nessa casa grande fica meio apertado (pra vocês terem uma idéia eu durmo num colchão no chão!). Moram aqui 2 japoneses, 2 chineses, 3 poloneses, 1 hungaro e 1 marroquina. Os mais legais foram os poloneses e a marroquina, mas todos me receberam tri bem. Dei uma conectadinha na internet de tipo horas : P, vi um pouco de TV, bati papo com o pessoal, almocei num restaurante chamado Boca grande, é, com esse nome em português mesmo, com a polonesa e um indiano da AIESEC. Lá não tinha comida indiana dai acabei comendo uma Caesar Salad. Depois dei uma dormidinha, porque ninguém é de ferro. De noite o pessoal foi num restaurante tailandes/chinês bem fino e bem gostoso. Depois eu dormi de novo. Deu pra ver que no primeiro dia não rolou comida indiana, só no avião.

Tirei umas fotinhos também mas ainda não pude subir elas, mas farei em breve. Breve eu conto mais pra vocês, com pictures !